Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Beto Richa, mulher e filho viram réus por lavagem de dinheiro

Família do tucano é acusada de falsificar documentos de compra de imóvel, que teria sido pago com R$ 930 mil de dinheiro oriundo de esquema ilícito

Por Guilherme Venaglia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 14 fev 2019, 09h53 - Publicado em 14 fev 2019, 09h37

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) virou réu pela segunda vez em decorrência das investigações da Operação Integração, que apura suspeitas de corrupção em contratos com concessionárias de estradas no estado.

Em decisão desta quarta-feira, 13, o juiz federal substituto Paulo Sérgio Ribeiro recebeu a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que acusa o ex-governador, a mulher dele, Fernanda Richa, o filho, André Richa, e o contador Dirceu Pupo pelo crime de lavagem de dinheiro.

Segundo a acusação do MPF, a família adquiriu um terreno em um condomínio de luxo em Curitiba, anunciado por 2 milhões de reais em uma transação declarada apenas como a troca por dois terrenos avaliados em 500.000 reais. O valor total do negócio seria de 1,4 milhão de reais, com os outros 930.000 reais tendo sigo pagos em dinheiro vivo desviado do esquema criminoso, que estaria instalado no Departamento de Estradas e Rodagens do Paraná (DER-PR).

“Para ocultar a origem espúria dos valores pagos em espécie, os denunciados lavraram escritura pública de compra e venda ideologicamente falsa, simulando uma simples permuta do terreno de luxo com os lotes de Alphaville no valor de apenas 500.000 reais, subfaturando o valor real da venda e ocultando a existência de pagamentos em dinheiro vivo”, diz o MPF.

O imóvel foi adquirido pela Ocamorã Administradora de Bens, empresa em nome de Fernanda e dos filhos, e que tem Dirceu Pupo Ferreira como administrador. O contador teria sido, segundo a investigação da Procuradoria, o responsável por intermediar o pagamento dos valores em dinheiro.

Continua após a publicidade

Corrupção

No começo da semana, Beto Richa e outras nove pessoas ligadas à sua gestão no Governo do Paraná, incluindo seu irmão e ex-secretário de Infraestrutura José Richa Filho, viraram réus pelas acusações de corrupção passiva e organização criminosa, no âmbito da mesma investigação.

O esquema investigado, relata o MPF, consistia, consistia em associação criminosa entre agentes públicos do DER com sete concessionárias para superfaturar custos e fraudar os contratos por meio de aditivos sem embasamento técnico. Aditivos são termos adicionais assinados para modificar o contrato vigente entre uma empresa e o poder público. No caso do Paraná, diz o MPF, os documentos serviam para aumentar o que as concessionárias tinham a receber e diminuir suas obrigações, como obras que eram descartadas.

A participação do ex-governador Beto Richa e dos demais agentes políticos no esquema, de acordo com esta primeira denúncia, seria assinar esses aditivos e outros termos de ajuste, determinar omissão na fiscalização e pressionar a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) a suspender ações judiciais contra as concessionárias.

Outro lado

Procurada, a defesa de Beto e André Richa afirmou que só se manifestará nos autos do processo. A defesa da assessoria da ex-primeira-dama Fernanda Richa acusou o MPF de ter denunciado ela, incluída posteriormente na acusação, depois que esta protestou a inclusão de André no inquérito. “A defesa de Fernanda Richa confia no poder judiciário, que certamente saberá evitar que maiores prejuízos se produzam, pois não cometeu qualquer ilegalidade e refuta as acusações falsas criadas contra ela.”

Sobre a empresa Ocaporã, Fernanda Richa disse se tratar de “uma empresa patrimonial constituída em 2008 para gerir o patrimônio originário de herança do pai de Fernanda; este patrimônio não se confunde com o patrimônio de Carlos Alberto Richa”. Ela diz que a empresa “nunca cometeu nenhuma irregularidade” e não tem qualquer relação com o ex-governador.

“A sociedade tem como sócios apenas Fernanda e seus filhos. Seu marido, Carlos Alberto Richa, nunca foi sócio ou geriu, nem exerceu qualquer função na empresa. Dirceu Pupo Ferreira é um funcionário responsável pela gestão da empresa, com conhecimento e confiança de Fernanda. Todas as transações de imóveis ocorreram em razão de oportunidades comerciais reais e lícitas. A empresa jamais realizou qualquer operação com o intuito de ocultar ou dissimular valores”, escreveu.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.