Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Até aliados de Eduardo Cunha pedem seu afastamento

Em nota, PSDB, DEM, PPS, PSB e Solidariedade dizem que, fora da presidência da Câmara, o deputado poderia defender-se 'de forma adequada'

Culminando uma semana em que suas dificuldades só aumentaram, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, acaba de perder o apoio dos que vinham lhe sustentando. Em nota divulgada neste sábado, os principais partidos de oposição pedem seu afastamento do cargo. Desde que se tornou alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal por participação no esquema de corrupção da Petrobras, o pedido dos oposicionistas constitui a principal derrota de Cunha.

Leia também:

Cunha reafirma que não renunciará: “Pode pressionar”

Mulher de Cunha usou conta para pagar aulas de tênis e cursos no exterior

A nota vem assinada pelos líderes do PSDB, DEM, PPS, PSB e Solidariedade e defende o “afastamento do cargo de presidente até mesmo para que ele (Eduardo Cunha) possa exercer, de forma adequada, seu direito constitucional à ampla defesa”. Questionado neste sábado sobre eventual saída do cargo caso líderes cobrassem o afastamento, Cunha disse simplesmente que se manteria no cargo.

A situação de Cunha piorou na semana passada. Um dossiê entregue pelo Ministério Público da Suíça à Procuradoria Geral da República mostra que o dinheiro de uma propina paga para viabilizar um negócio da Petrobras na África foi parar em contas secretas de Cunha e sua mulher, a jornalista Claudia Cruz.

Os documentos suíços mostram que da conta em nome da mulher do deputado saíram recursos para o pagamento de despesas pessoais de US$ 1,09 milhão (o equivalente a R$ 4,1 milhões) em sete anos, incluindo faturas de dois cartões de crédito e pagamentos a uma famosa academia de tênis na Flórida.

Dispostos a emplacar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso, que depende do aval do presidente da Câmara para tramitar, os oposicionistas se alinharam a Cunha e ofereceram sustentação política desde que ele se tornou alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal. Agora, porém, diante das evidências cada vez mais claras de que mentiu aos seus pares quando afirmou que não tinha contas no exterior, a situação de Cunha ficou insustentável.

Nos bastidores, deputados da oposição defendem que Cunha renuncie ao cargo de presidente da Câmara e, em troca, sugerem que não cassariam seu mandato, preservando seu mandato parlamentar. Se ele perder o mandato e, consequentemente, o foro privilegiado, eventual investigação de novas denúncias será feita pela Justiça comum, e não mais pelo STF.

(Da redação)