Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Assumir o ‘Domingão’ não afastou Luciano Huck das conversas políticas

Apresentador mantém conversas frequentes com caciques da política e da economia, além de participar de grupos temáticos

Por Caio Sartori Atualizado em 14 fev 2022, 16h33 - Publicado em 14 fev 2022, 16h12

Apesar de ter assumido o lugar de Fausto Silva no programa mais tradicional da Rede Globo, o ‘Domingão’, Luciano Huck não deixou de lado as conversas com interlocutores que o assessoravam quando cogitava concorrer à Presidência. O nome do apresentador não estará nas urnas em outubro, mas ele mantém reuniões frequentes com figuras como o economista Armínio Fraga e o ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung. O capixaba, diga-se, voltou a ter holofotes sobre si nas últimas semanas, quando foi cotado como um possível presidenciável ou candidato ao Senado pelo PSD. 

Com contrato renovado na Globo até 2025 – e um salário que passaria dos 3 milhões de reais, algo que ele não confirma -, o apresentador não tende a se engajar em apoios a candidaturas específicas neste ano, mas quer defender valores e causas. Além de conversar com caciques dos quais se aproximou nos últimos anos, o que inclui também o ex-presidente do DEM e agora secretário-geral do União Brasil, ACM Neto, Huck ainda participa de grupos temáticos de áreas específicas e movimentos de renovação política. Entre os assuntos pelos quais tem demonstrado mais interesse, está a questão ambiental. 

No entorno do jornalista, pesa a avaliação de que a eleição deste ano não estaria propícia para ele. Muito por causa da entrada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no jogo. Com seu histórico à frente do Planalto, o petista abocanha votos que poderiam ser de Huck – no caso, os do eleitorado mais pobre, acostumado a ver os quadros de cunho social veiculados nos programas do global.

A movimentação pela candidatura Huck começou antes de 2018, quando a conjuntura demonstrava que o país desejava eleger alguém sem vínculos com a política tradicional.  Ele, contudo, não topou. No fim das contas, o Brasil elegeu um deputado do baixo clero que estava na Câmara desde 1991 – e que se vendeu como “antissistema”. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)