Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Assessor pessoal de Dilma é exonerado do cargo

Anderson Braga Dorneles conheceu a presidente aos 13 anos e era seu braço direito desde a época do Ministério de Minas e Energia. Ele aparece em grampos da Lava Jato

Por Da Redação - 1 fev 2016, 13h35

O assessor especial da Presidência da República Anderson Braga Dorneles foi exonerado do cargo a pedido nesta segunda-feira. O ato foi publicado no Diário Oficial da União. Ele será substituído por Bruno Gomes Monteiro. Oficialmente, a explicação no governo é que ele vai se casar e, por isso, quer voltar a morar em Porto Alegre (RS), sua cidade natal.

Em Brasília, o fiel assessor trabalha com Dilma desde quando ela era ministra de Minas e Energia, no primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003.

No Palácio do Planalto, estão juntos desde o início do primeiro mandato, em 2011. Entre as suas funções, estava a de portar e manusear, especialmente nos fins de semana, o concorrido iPhone presidencial. Nos bastidores, era visto como a “voz” de Dilma e chegava até mesmo a dar conselhos à presidente.

Auxiliares da presidente negam que a saída de Dorneles tenha a ver com a Operação Lava Jato. Oficialmente, a Secretaria de Comunicação de Governo não quis comentar o assunto. Procurado pelo Estado na última semana, Dorneles disse que não comentaria o assunto.

Publicidade

Chamado de “bebê” e “menino” pela presidente, Dorneles, hoje com 36 anos, tinha 13 quando conheceu Dilma. Ele era office-boy e ela, presidente da Fundação de Economia e Estatística, do Rio Grande do Sul.

LEIA TAMBÉM:

Dilma: pura animação no Conselhão. Só que não

Lobby – Em setembro de 2015, e-mails interceptados pela força-tarefa da Polícia Federal na Operação Lava Jato mostraram que o empresário Marcelo Odebrechet, preso acusado de pagar propina em troca de contratos da Odebrechet com a Petrobras, teria entrado em contato com Dorneles e Giles Azevedo, que também é assessor da petista, na véspera de Dilma se encontrar com o presidente dominicano eleito Danilo Medina, em 9 de julho de 2012.

Publicidade

Nas trocas de correspondência, o empresário queria que Dilma fizesse lobby do grupo na República Dominicana. Em 5 de julho daquele ano, Odebrecht escreveu para os dois assessores: “Caros Giles e Anderson, peço o favor de entregar à presidente Dilma a nota em anexo referente ao encontro dela com o presidente da República Dominicana, que segundo fui informado, será esta segunda, 9 de julho, pela manhã. Fico à disposição para qualquer informação adicional. Obrigado e forte abraço. Marcelo.” Não há informações sobre se Dorneles respondeu a mensagem. Ele também não consta como investigado na operação.

(Estadão Conteúdo)

Publicidade