Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

As férias frustradas de Bolsonaro

Presidente ficaria no litoral da Bahia até 5 de janeiro, mas antecipou a volta para Brasília. Uma questão familiar pode ter encurtado o descanso

Por Da Redação Atualizado em 3 jan 2020, 07h00 - Publicado em 3 jan 2020, 06h00

O motivo oficial não foi divulgado, mas o presidente Jair Bolsonaro abortou o seu plano de férias na Base Naval de Aratu, no litoral da Bahia, e antecipou a volta para Brasília — a ideia era ficar na praia até 5 de janeiro, mas ele pousou na capital federal na terça-feira 31, acompanhado da filha Laura, de 9 anos. Uma questão familiar pode ter encurtado o descanso, que durou só quatro dias: a primeira-dama Michelle Bolsonaro passará por uma cirurgia plástica. Ela tinha consulta marcada, para os primeiros dias de 2020, com parte da equipe médica que, em julho de 2019, no Hospital das Forças Armadas, lhe corrigira um desvio de septo, que, coincidentemente, a deixou com o nariz um pouco mais arrebitado. Antes de viajar, Bolsonaro dissera que a intervenção era “coisa besteira”, e que não fazia muito sentido a viagem da mulher: “Outra coisa, eu vou para pescar também. Geralmente ela não gosta. Então, para ir e ficar chateada, melhor ficar aqui”, afirmou.

Desde que voltou, o presidente fez vários posts em redes sociais, mas não tocou no assunto. No réveillon, limitou-se a desejar “Feliz 2020”. Pouco antes, assinou medida provisória que eleva o salário mínimo de 998 para 1 039 reais — 8 reais a mais que o previsto no Orçamento. No dia 1º, lembrou a efeméride de um ano de governo e desejou que o “Brasil possa continuar seguindo o caminho da prosperidade”. Também encontrou tempo para prestar solidariedade ao dono da rede de comércio Havan, Luciano Hang, que teve uma de suas estátuas da Liberdade incendiada em São Carlos (SP), em incidente que o empresário classificou como “terrorismo”. No mesmo dia, Bolsonaro cumprimentou fãs no Palácio da Alvorada, mas se recusou a falar com os jornalistas. “Quero começar bem o ano”, justificou.

Publicado em VEJA de 8 de janeiro de 2020, edição nº 2668

Publicidade