Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Articuladora política, Ideli se queixa da convocação de Gilberto Carvalho

Ministra reage ao requerimento de parlamentares da bancada ruralista, que exigem explicações do responsável pela interlocução com indígenas

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
12 jun 2013, 18h25

Responsável pela articulação política no Congresso Nacional, a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, reclamou da convocação do colega Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) para dar explicações aos deputados sobre os conflitos e a dificuldade do governo em solucionar a demarcação de terras indígenas no país. Por se tratar de uma convocação – e não de um convite -, Carvalho terá de comparecer.

Para Ideli, o comparecimento não deveria ser obrigatório. “Eu considero particularmente desnecessário ser feita uma convocação. Já tinha acontecido isso com a Gleisi. Os ministros têm total disposição de vir ao Congresso toda vez que são convidados”, queixou-se. Também convocada, a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, participou de audiência pública na Comissão de Agricultura no mês passado. Na ocasião, ela cobrou um posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a demarcação de terras indígenas.

Leia também:

A dúbia política indígena que pressiona o governo

Continua após a publicidade

Apesar de o ministro Gilberto Carvalho não ter tido sucesso na articulação para solucionar o problema, Ideli afirmou que ele esclarecerá aos parlamentares com “a maior tranquilidade” a situação indígena. “A tarefa dele no governo é de relação e de intermediação juntos aos movimentos sociais. Isso o ministro tem feito de forma exaustiva”, afirmou. “O ministro disse que vamos evitar conflitos e que as usinas hidrelétricas necessitam ser executadas e serão executadas.”

Vetos – Outro assunto que Ideli tem de negociar com os parlamentares é a votação dos vetos presidenciais. A ministra ressaltou que o governo acompanha desde o ano passado a movimentação do Congresso Nacional para decidir como irá apreciar os 3.000 vetos que aguardam análise no plenário. “Esse assunto, para nós, tem um alto grau de preocupação. Há vetos que se forem derrubados terão grande impacto nas contas públicas, na questão da própria estabilidade fiscal e financeira do país”, afirmou.

Parlamentares da base e da oposição ameaçam obstruir as próximas votações do Congresso Nacional caso não seja definida uma agenda de apreciação dos vetos. Questionada sobre uma possível obstrução do PMDB, anunciada nesta terça-feira pelo líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), a ministra disse não acreditar nessa atitude da base. “Eu não acredito que o PMDB, que é o partido do vice-presidente, que compartilha a responsabilidade de governo, tenha a atitude de inviabilizar as votações estratégicas para o país”, afirmou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.