Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Articulações por nome de futuro ministro do TCU unem governo e oposição

Uma curiosa convergência de interesses envolvendo o Congresso, o próprio TCU e parlamentares busca evitar impasse na indicação

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 13h11 - Publicado em 14 ago 2021, 08h00

O ministro Raimundo Carreiro, do Tribunal de Contas da União, completa 75 anos em setembro de 2023. Pela lei, ele atinge nessa data a idade-limite e se aposenta compulsoriamente. Na sequência, caberá ao Senado Federal indicar um substituto para a vaga. Uma curiosa convergência de interesses envolvendo o governo, o Congresso, o próprio TCU e até parlamentares de oposição promete antecipar todo esse processo em dois anos. Se o plano der certo, até o fim do mês o presidente Jair Bolsonaro vai indicar Carreiro para ocupar um posto diplomático no exterior e os senadores já terão escolhido um nome de consenso para o cargo — tudo costurado para acontecer de maneira harmoniosa, sem embates políticos, sem trocas de acusações, diferentemente do que tem se tornado a rotina da prática política em tempos de polarização.

Antes considerado um repositório de políticos em fim de carreira ou de candidatos com dificuldade de reeleição, o TCU ganhou protagonismo a partir de 2015, depois que condenou a então presidente Dilma Rousseff no caso das pedaladas fiscais e abriu caminho para o processo de impeachment. Desde então, o tribunal vem se distanciando da pecha de mero carimbador de orçamentos ou bedel de formalismos que, no máximo, conseguiam paralisar algumas obras e licitações. A Corte de Contas, hoje, tem sido muito demandada, especialmente pela oposição, para fustigar o governo. Há, portanto, interesse do Planalto em ter no cargo alguém mais amigável. Há o desejo particular de determinados senadores em ocupar a vaga e a vontade do Congresso de ampliar seu raio de influência. E, por último, encaixou no processo a intenção do ministro Carreiro de morar no exterior.

No início de junho, uma comitiva de autoridades brasileiras foi a Nova York conhecer instalações tecnológicas e redes privativas de internet 5G no país. Estavam presentes, entre outros, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, os senadores Flávio Bolsonaro e Ciro Nogueira e o ministro Raimundo Carreiro. Nessa viagem foi alinhavada a proposta que atenderia a todos os interessados. O ministro do TCU já havia recebido as primeiras sinalizações de que poderia se tornar embaixador do Brasil em Portugal caso realmente antecipasse a aposentadoria. A notícia vazou para alguns gabinetes e começaram a surgir os primeiros pretendentes ao posto. Dois nomes surgiram de imediato: Antonio Anastasia (PSD-MG) e Kátia Abreu (Progressistas-TO) — ambos, em princípio, oposicionistas. Esse detalhe, porém, foi superado.

Nos últimos dias, Kátia Abreu aproveitou o recesso do Congresso Nacional para descansar numa praia do Rio Araguaia, onde, de acordo com sua assessoria, permaneceria isolada. Foi um exílio proposital. A senadora foi aconselhada a submergir, enquanto seus aliados juntam as últimas peças da articulação para que ela assuma a cadeira no TCU. Uma das vozes mais agudas do Senado, a parlamentar era, até ontem, filiada ao MDB. Apesar da mudança de partido, ainda é muito próxima ao senador Renan Calheiros, relator da CPI da Pandemia, e a um grupo importante que ela reunia com frequência em sua casa, durante a pandemia, para traçar estratégias com vistas a desgastar o governo. Mesmo com esse perfil, o nome da senadora ganhou o apoio dos parlamentares ligados ao Centrão, que convenceram o presidente Bolsonaro de que essa solução pode render bons dividendos a todos: ao Centrão, que amplia sua área de influência, à senadora, que assumirá um cargo de altíssima relevância, e ao governo, que aposta que contará com uma oposicionista a menos no TCU.

Publicado em VEJA de 18 de agosto de 2021, edição nº 2751

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.