Clique e assine a partir de 8,90/mês

Após viagem em avião da FAB para implante capilar, Renan terá de devolver o dinheiro

Assessoria de imprensa do presidente do Senado não confirmou a quantia nem quando será feito o reembolso

Por Da Redação - 21 dez 2013, 15h10

Após a revelação de que o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), viajou em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) de Brasília a Recife para submeter-se a uma cirurgia de implante de cabelos, a assessoria de imprensa do peemedebista informou neste sábado que Renan deverá devolver o valor gasto com o deslocamento aos cofres públicos. A viagem ocorreu na última quarta-feira, dia 18. Na ocasião, 10.000 novos fios foram implantados. A revelação de que a viagem teve fins estéticos e não oficiais foi feita neste sábado pelo jornal Folha de S. Paulo. Ainda não foi divulgado, contudo, quando será feito o estorno ao Erário – ou qual quantia será devolvida.

Na agenda oficial de Renan, publicada no site do Senado, não há nenhum registro de compromisso oficial do presidente da Casa na capital pernambucana. Já nos registros de voos da FAB, o motivo da viagem do presidente do Congresso é justicado como serviço. De acordo com o documento, Renan partiu de Brasília no dia 18 às 22h15 e chegou a Recife às 23h30.

Leia também:

Os ministros campeões de voos em jatinhos da FAB

Renan Calheiros usou jato da FAB para ir a casamento na Bahia

Continua após a publicidade

Ministro também usou jato da Força Aérea para ver final da Copa

Prejuízo – Um voo entre Brasília e Recife, em avião comercial, agora na alta temporada, custa no mínimo 1.000 reais. A FAB ainda não divulgou se Renan também usou a aeronave da FAB para retornar de Recife a Maceió, onde tem casa.

Esta é a segunda vez neste ano que Renan usa avião da FAB para comparecer a compromissos particulares. Em junho ele voou até Trancoso, na Bahia, para o casamento da filha do colega Eduardo Braga (PMDB-AM). Após o fato ser revelado pela imprensa, Renan devolveu o dinheiro.

Rotina – Ministros do governo Dilma e outras autoridades mantêm o hábito de usar os aviões da FAB para retornar a seus Estados, embora um decreto de 2009, assinado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, autorize o uso de voos comerciais em deslocamentos. Para evitar gastos, a presidente Dilma Rousseff já orientou ministros que moram nos mesmos Estados a compartilharem os voos da FAB em suas viagens de ida e volta para Brasília.

Na última quinta-feira, 19, das dez viagens registradas no site da FAB, seis levaram ministros e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para os Estados onde mantêm residências. O site da FAB diz que essas viagens foram “a serviço”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade