Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após forçar demissão de ministro, PR sela apoio a Dilma

Partido renderá para a presidente mais 1 minuto e 8 segundos de propaganda - e custou a cabeça de César Borges, que comandava os Transportes

Depois de forçar a presidente Dilma Rousseff a trocar o comando do Ministério dos Transportes, o Partido da República formalizou nesta segunda-feira apoio à campanha da petista à reeleição. Em reunião da Executiva Nacional, o PR confirmou, por 23 votos a um, que integrará o leque de alianças de Dilma – o que renderá à presidente mais 1 minuto e 8 segundos de propaganda eleitoral no rádio e na TV.

Leia também:

O ‘inferno astral’ de Dilma às vésperas da campanha

“Temos 1 minuto e 8 segundos [por bloco de propaganda política]. Isso significa 2 minutos e 16 segundos para a presidente Dilma. São 2 minutos e 16 segundos que o adversário deixa de levar, e isso é muito significativo”, disse o presidente do PR, senador Alfredo Nascimento, ‘faxinado’ por Dilma Rousseff do comando do Ministério dos Transportes em 2011, na esteira de um escândalo de corrupção revelado por VEJA.

O apoio do PR teve aval do ex-secretário-geral da sigla Valdemar Costa Neto, condenado no julgamento do mensalão e que cumpre pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O partido já havia se reunido em convenção no último dia 21, mas uma reunião esvaziada transferiu a decisão para esta segunda-feira. Na reunião da Executiva, o líder do PR na Câmara, Bernardo Santana de Vasconcelos (PR-MG), que defendia que a sigla apoiasse a candidatura do senador Aécio Neves, mandou uma procuração para que seu voto fosse computado em favor do apoio ao tucano. Ele não participou da reunião do partido em Brasília.

Leia também:

Fechado com Dilma, PR apoia Padilha em SP

A confirmação do apoio a Dilma Rousseff ocorre na semana seguinte à pressão explícita do partido pela troca do comando do Ministério dos Transportes. Embora César Borges, então titular da pasta, fosse filiado à legenda, ele não era considerado um ministro do partido por não ter interlocução com a bancada no Congresso. O substituto de Borges é Paulo Sérgio Passos, também filiado ao PR, mas considerado um quadro técnico, e não uma indicação política da sigla.

“A troca no Ministério dos Transportes ajudou [o PR]. O afastamento [de César Borges] colocando outro ministro, que também não é indicação nossa, fez com que o partido entendesse a boa vontade do governo e fizesse a opção por apoiá-la”, disse Alfredo Nascimento. “O que estabeleceu essa diferença na relação entre a base do PR no Congresso e o governo era a relação com o ministro dos Transportes”, afirmou.

Rachado, o PR sempre teve uma relação tumultuada com o Palácio do Planalto. Ao longo do governo, sua bancada no Senado já se autoproclamou “independente” das orientações do Executivo – e depois recuou – e os deputados da sigla lançaram, em pleno Congresso, um ato de apoio ao movimento “Volta, Lula” para que o ex-presidente se lançasse mais uma vez como candidato ao Planalto.

Escândalo – Em julho de 2011, reportagem de VEJA revelou um esquema de corrupção montado no Ministério dos Transportes sob o comando do PR. O partido cobrava 4% de propina de empreiteiras interessadas em contratos com o governo. O esquema tinha como coração o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a Valec, estatal das ferrovias. A maior parte do dinheiro ia para o caixa do PR, sob a direção do então ministro Alfredo Nascimento e do deputado Valdemar Costa Neto. O restante era destinado aos parlamentares dos estados em que as obras eram – ou deveriam ser – feitas. Segundo os auditores da CGU, 760 milhões de reais foram desviados. A Polícia Federal abriu 79 inquéritos sobre os desmandos na pasta, e 55 servidores públicos foram investigados. O escândalo derrubou o ministro, seu chefe de gabinete (Mauro Barbosa), os chefes do Dnit (Luiz Antonio Pagot) e da Valec (José Francisco das Neves, o Juquinha) e mais de vinte funcionários da pasta. Em 2013, o partido retomou o controle da pasta.

TV – Na última semana, em seu programa partidário, o PR voltou a dar mostras de que sua aliança com a presidente Dilma Rousseff é circunstancial. Embora participe de governo e oficialmente apoie a reeleição da petista, o partido defendeu na TV a mudança na condução política do país e adotou o slogan “Em time que está ganhando, se mexe”. Se nas últimas eleições o palhaço Tiririca, cabo eleitoral da sigla, adotou o bordão “pior que tá não fica”, o novo mote em defesa da mudança também coube ao humorista: “Tem que manter o que tá certo e ‘desmanter’ o que tá errado. Tem que mexer”.