Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após demissão, Vélez diz que confia em Bolsonaro e deseja sorte a sucessor

Abraham Weintraub tomará posse como novo ministro da Educação nesta terça-feira, no Planalto, às 14h

Pelo Twitter, o ex-ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro e desejou sorte ao seu sucessor, Abraham Weintraub. “Agradeço ao presidente, Jair Bolsonaro, a oportunidade de estar à frente do Ministério da Educação. Confio em sua decisão e me despeço desejando ao professor, Abraham Weintraub, sucesso no cumprimento de sua missão”, escreveu.

Vélez foi informado da decisão em reunião com Bolsonaro, pela manhã, no Palácio do Planalto. A decisão foi formalizada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU). A posse de Abraham ocorrerá nesta terça-feira, 9, no Planalto, às 14 horas, antes da reunião do Conselho de Governo.

Na sexta-feira 5, Bolsonaro já havia sinalizado que poderia demiti-lo. A saída de Vélez é a segunda baixa na Esplanada dos Ministérios em pouco mais de três meses de governo. Em fevereiro, Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência) foi demitido após entrar em rota de colisão com o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente.

Nesse mesmo período, o MEC registrou nada menos que dezessete baixas em cargos de alto escalão. Reportagem publicada por VEJA mostrou que, sob o comando de Vélez, o ministério tornou-se o epicentro de um pandemônio no governo federal, com brigas ideológicas e projetos emperrados. Enfraquecido, Vélez passou a ser bombardeado por evangélicos, militares e partidos políticos.

Com a demissão iminente, o escritor Olavo de Carvalho, “guru” do governo Bolsonaro e a quem é atribuída a indicação de Vélez Rodríguez, virou-se contra o ministro: “Não vou fazer nada contra ele, mas garanto que não vou lamentar se o botarem para fora do ministério”, escreveu.

O primeiro desgaste da pasta sob o comando de Vélez aconteceu logo no início do governo, com a publicação de um edital que alterava as regras para compras de livros didáticos. O documento previa que as obras não precisassem mais de referências bibliográficas e afrouxava o controle de erros.

O texto também revogava itens que previa conteúdos sobre diversidade cultural brasileira e violência contra mulheres. O edital foi anulado no mesmo dia em que foi divulgado (9 de janeiro)  o ex-ministro culpou o governo anterior, de Michel Temer (MDB). Vélez exonerou o então chefe de gabinete do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Rogério Fernando Lot, e mais nove pessoas que ocupavam cargos comissionados no órgão.

Outras demissões ajudaram a mostrar a falta de rumo do Ministério da Educação. O economista Murilo Resende Ferreira foi indicado para o cargo de coordenador do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no dia 16 de janeiro e demitido um dia depois, após uma acusação de plágio ter sido revelada. Funcionários de médio e baixo escalões identificados como “petistas” também foram afastados do ministério.

Após entrevista a VEJA, Vélez voltou a ser questionado por uma declaração que deu ao defender o retorno da disciplina de educação moral e cívica ao currículo escolar: “O brasileiro viajando é um canibal. Rouba coisas dos hotéis, rouba o assento salva-vidas do avião; ele acha que sai de casa e pode carregar tudo. Esse é o tipo de coisa que tem de ser revertida na escola”.

Em outro episódio, o ministro enviou cartas a diretores de escolas pedindo que eles filmassem alunos cantando o Hino Nacional e determinando a leitura de mensagem com o slogan de campanha de Bolsonaro “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. Após críticas e sob o risco de ter de responder por improbidade administrativa, voltou atrás.

Na semana passada, já com o cargo em risco, o ministro anunciou mudanças em livros didáticos, para revisar a maneira como são retratados nas escolas o golpe de Estado que retirou o presidente João Goulart do poder, em 1964, e o regime militar que se seguiu. 

(Com Estadão Conteúdo)