Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Apoio a Temer faz autor do impeachment de Dilma deixar o PSDB

A jornal, Miguel Reale Júnior criticou posição de ficar 'no muro' e defendeu que partido não pode 'ser fraco' diante de 'afronta à ética'

Por Da Redação Atualizado em 13 jun 2017, 18h01 - Publicado em 13 jun 2017, 10h54

A decisão do PSDB de permanecer na base aliada do presidente Michel Temer (PMDB) provocou a primeira baixa no partido: Miguel Reale Júnior, advogado e um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), decidiu deixar o partido. Ao jornal O Estado de S.Paulo. Reale afirmou que desistiu do partido “diante de tantas vacilações e fragilidades onde não se pode ser fraco, que é diante da afronta à ética”.

Em reunião nesta segunda-feira, a legenda optou por continuar apoiando Temer ao menos durante a tramitação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional. No governo, o PSDB tem quatro ministros, que permanecerão após a decisão: Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Aloysio Nunes (Relações Exteriores). Bruno Araújo (Cidades) e Luislinda Valois (Direitos Humanos).

Ministro da Justiça no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Reale Júnior ironizou a postura do partido, que tem feito reuniões periódicas para discutir o desembarque do governo, mas, no entanto, resultando em sucessivas permanências “Espero que o partido encontre um muro suficientemente grande que possa servir de túmulo”, afirmou o advogado.

Apesar da postura adotada, o PSDB também decidiu que vai recorrer da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que absolveu a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014, da acusação de abuso de poder político e econômico formulada pela legenda naquele ano. Em entrevista coletiva após o encontro, o presidente interino da legenda, o senador Tasso Jereissati (CE), admitiu se tratar de uma “incoerência” a contestação da inocência de um presidente da República apoiado pelo partido, mas pontuou que é uma incoerência que a “história” impôs.

Outra signatária do documento que resultou na saída da petista do cargo, Janaína Paschoal também criticou a decisão do PSDB. Apesar de não ser filiada à legenda, a advogada endereçou uma mensagem, em uma rede social, ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e ao prefeito da capital paulista, João Doria, ambos integrantes do partido. Segundo ela, “a grande reforma que este país carece é a de que todos devem cumprir as leis”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)