Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Apesar da fusão com o PSL, DEM diz que irá caminhar com Doria em São Paulo

Com sigla alinhada ao governador e o vice, Rodrigo Garcia, filiados ao Democratas devem manter independência em relação ao projeto nacional do União Brasil

Por Bruno Ribeiro Atualizado em 7 out 2021, 09h46 - Publicado em 7 out 2021, 09h41

Muitas arestas ainda precisam ser aparadas para que a fusão entre o DEM e o PSL, decidida nesta quarta-feira, 6, nasça como uma força política uníssona em São Paulo, maior colégio eleitoral do país. No caso do DEM, o diretório paulista tem uma agenda própria, alinhada com a do governador João Doria (PSDB), e não pretende mudar por causa dos planos dos demais dirigentes do novo partido, que se chamará União Brasil.

“O corpo do DEM vai para Doria e Rodrigo Garcia”, disse a VEJA o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Milton Leite, cuja família comanda o diretório democrata paulista. Ele afirma que, ainda antes da fusão, a sigla já tinha planos divergentes de ACM Neto e do diretório nacional do partido. Leite tem indicados na Secretaria de Transportes de Doria e abençoou a saída do vice-governador, Rodrigo Garcia, do DEM para o PSDB, ocorrida neste ano, em um acordo que envolveu, para o ano que vem, a garantia de que seria do DEM a vaga de vice em uma chapa encabeçada por Garcia para a disputa do Palácio dos Bandeirantes.

Segundo Leite, mesmo que o União Brasil acene para um apoio em São Paulo a uma candidatura de Geraldo Alckmin, que está de saída do PSDB e pode ir para o PSD de Gilberto Kassab, a bancada paulista da sigla vai fazer valer os acordos já firmados.

Entre os democratas de São Paulo, já havia ainda um plano de apresentar uma chapa completa em 2022, com a meta de eleição de oito deputados federais (hoje são cinco). Como os deputados do PSL serão inseridos nesse projeto, entretanto, ainda não está definido.

O presidente do diretório Paulista do PSL, Júnior Bozzella, disse que a posição de Leite é “legítima” e que ele “acha até bonito a lealdade” de Leite para com Garcia. “O Rodrigo foi do DEM por muitos anos e compõe o mesmo grupo que o Milton. É legítimo que ele (Leite) se posicione assim. Está sendo fiel à sua base política.”

Entretanto, Bozzella afirma que o apoio a esse projeto ou a outro — além de Alckmin, ele cita ainda a possibilidade de apoiar a candidatura de Arthur do Val (Patriota) ao Bandeirantes — vai ser uma decisão nacional que ao menos os oriundos do PSL na nova sigla irão acatar. “São Paulo, como maior estado do país, precisa considerar o projeto de República que o partido irá propor”.

Uma  das questões práticas em aberto, que ainda será objeto de discussão, é como se dará a divisão no estado da verba dos fundos partidário e eleitoral entre as duas alas da nova legenda.

Continua após a publicidade

Publicidade