Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro segue agenda de transição em Brasília nesta quarta

Com Previdência no horizonte, presidente eleito se encontrará com o presidente Michel Temer (MDB) na parte da tarde

Por Da Redação - Atualizado em 7 nov 2018, 22h51 - Publicado em 7 nov 2018, 08h13

Eleito presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) seguiu nesta quarta-feira a agenda de transição de governo, em sua primeira viagem a Brasília desde que venceu a eleição. O segundo dia da agenda de Bolsonaro na capital teve encontros com autoridades, reuniões com a sua equipe de transição e o anúncio da primeira mulher em sua equipe ministerial.

Em pronunciamento ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, Jair Bolsonaro falou em consultá-lo “muitas vezes” antes de tomar decisões. À tarde, em encontro com o presidente Michel Temer (MDB) no Palácio do Planalto, o pesselista recebeu simbolicamente as chaves do gabinete presidencial foi convidado por Temer a acompanhá-lo na cúpula do G20, na Argentina, no final do mês. Sem citar a reforma da Previdência abertamente, ambos falaram em esforços conjuntos para aprovar medidas de interesse do novo governo no Congresso ainda em 2018.

No fim da tarde, Bolsonaro indicou a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), líder da bancada ruralista do Congresso, como ministra da Agricultura. A escolha confirmou o recuo do pesselista em relação à fusão da pasta ao ministério do Meio Ambiente.

À noite, o Senado contrariou o presidente eleito e aprovou o aumento de salários para os ministros do STF, medida que terá impacto de 4 bilhões de reais nos cofres públicos em 2019. Mais cedo nesta quarta, Jair Bolsonaro avaliou que “não é o momento” de elevar os salários da Corte.

Acompanhe a transição para o governo de Jair Bolsonaro em Brasília:

18:08 – Bolsonaro escolhe deputada ruralista para o Ministério da Agricultura

Jair Bolsonaro indicou a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS) como ministra da Agricultura do governo que se iniciará em 1º de janeiro. O nome de Tereza, primeira mulher confirmada no primeiro escalão da equipe ministerial de Bolsonaro, foi indicado pela Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), da qual a parlamentar é presidente.

Como vem fazendo a cada nova indicação à Esplanada dos Ministérios, o pesselista confirmou a escolha por meio de sua conta no Twitter.


17:25 – TSE vai antecipar diplomação de Bolsonaro para antes de cirurgia

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai antecipar a diplomação de Jair Bolsonaro como presidente da República e sugeriu que a solenidade ocorra no dia 11 de dezembro, um dia antes da cirurgia prevista para a retirada da bolsa de colostomia do abdômen do pesselista. Na manhã desta quarta-feira, a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, entrou em contato com o ministro extraordinário Onyx Lorenzoni, que coordena a equipe de transição do novo governo e será o ministro-chefe da Casa Civil, para tratar do agendamento da diplomação, cuja data limite é 19 de dezembro.


17:23 – Moro quer Jungmann como ‘conselheiro informal’

Após se encontrar com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, o futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública no governo Jair Bolsonaro, Sergio Moro, disse que “foi uma surpresa” ter sido convidado para a pasta e que, até a posse, “circulará” entre Curitiba, Brasília e “outras cidades que demandem uma atenção especial mesmo antes do início da gestão”.

Ao lado de Jungmann, Moro afirmou que pretende ter o ministro como “conselheiro informal” em sua gestão à frente da pasta.


16:23 – Temer convida Bolsonaro a viajar com ele à cúpula do G20, na Argentina

Em pronunciamento ao lado do presidente eleito, Jair Bolsonaro, na tarde desta quarta-feira, o presidente Michel Temer (MDB) relatou que entregou as chaves do gabinete presidencial “simbolicamente” a seu sucessor e o convidou a fazer viagens internacionais até o final do ano, incluindo a cúpula do G20, na Argentina, entre 30 de novembro e 1º de dezembro. Temer afirmou também que seu governo “colabora intensamente” na transição do Palácio do Planalto e que empregará “todos os esforços” pela aprovação no Congresso, ainda em 2018, de medidas que Bolsonaro entenda necessárias.


15:01 – Ministério do Trabalho será incorporado a outra pasta, confirma Bolsonaro

Após almoço no Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta quarta, Jair Bolsonaro afirmou que o Ministério do Trabalho será incorporado a outra pasta. A medida havia sido criticada pela própria pasta e por entidades sindicais após a equipe de Bolsonaro receber, na segunda-feira 5, uma proposta para agregar o Trabalho ao Ministério da Indústria.


13:41 – Governadores eleitos de SP e RJ vão a Brasília encontrar Bolsonaro

Durante a passagem pelo CCBB, quando vai se encontrar com a equipe de transição de governo, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) receberá os governadores eleitos do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e de São Paulo, João Doria (PSDB). Ambos apoiaram Bolsonaro no segundo turno das eleições presidenciais e já manifestaram interesse de firmar parcerias com o governo federal.


13:16 – Bolsonaro ameniza fala de Paulo Guedes: ‘A palavra não é prensa, é convencimento’

O presidente eleito Jair Bolsonaro contemporizou a fala do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, de que é preciso dar uma “prensa” no Congresso Nacional pela aprovação da Reforma da Previdência. “Não tem prensa. O que acontece com alguns do meu lado é que não tem a vivência política. Eu apesar de ter, levo, tantas vezes, cascudo de vocês. Imagina quem não tem essa experiência. A palavra não é prensa, é convencimento”, comentou.

Continua após a publicidade

No começo da tarde, Bolsonaro almoça com o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha. À tarde, visita a equipe de transição no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e se reúne com o atual presidente, Michel Temer (MDB).


12:01 – Embaixador é o favorito para comandar Itamaraty no governo Bolsonaro

A tensão do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) com o Egito, depois de ele anunciar a transferência da embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, acelerou as articulações de bastidores para que o futuro governo defina quem ocupará o comando do Ministério das Relações Exteriores. Neste momento, aliados de Bolsonaro cogitam apenas um nome: o de José Alfredo Graça Lima, embaixador de carreira do Itamaraty, como é conhecido o órgão.

Com experiência em comércio exterior, Graça Lima viveu anos de ostracismo durante os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), quando o responsável pela política externa era o ex-ministro Celso Amorim (PT). O embaixador foi um dos nomes mais próximos ao chefe da chancelaria no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Felipe Lampreia.


11:11 – ‘Não é o momento’, diz Bolsonaro, sobre possível aumento a ministros do STF

Questionado sobre um movimento do senador Eunício Oliveira (MDB-CE) para votar um projeto de aumento salarial aos ministros do STF, o presidente eleito Jair Bolsonaro diz que “não é o momento” de aprovar esse tipo de medida. “Estamos em uma fase em que ou todo mundo tem ou ninguém tem. Nós sabemos que o Judiciário é o mais bem aquinhoado entre os Poderes. A gente vê com preocupação”, disse, entre as reuniões com o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Rossatto, e do próprio Supremo, ministro Dias Toffoli.


10:50 – Bolsonaro se encontra com Toffoli e promete consultar ‘muitas vezes’ STF antes de decisões

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, na manhã desta quarta-feira 7. Após o encontro, Bolsonaro se disse “honrado” pelo encontro com Toffoli, de quem se aproximou nos últimos meses, e prometeu consultar ‘muitas vezes’ o STF antes de decisões. “Nós devemos trabalhar em conjunto. Nenhuma pessoa sozinha vai salvar a nossa pátria, mas uma equipe, a união de autoridades, juntamente com seu povo, tem como oferecer alternativas”.

De outro lado, Bolsonaro ouviu do presidente do Supremo cobrança para que resolve três grandes necessidades identificadas por Toffoli: as crises da Previdência, fiscal e da segurança pública. O ministro se colocou à disposição para um “pacto institucional” em favor das soluções para esses problemas.


09:15 – Moro vai a Brasília e inicia transição para assumir Ministério da Justiça

Pela primeira vez em Brasília depois de ser confirmado para participar do governo Jair Bolsonaro (PSL), o juiz federal Sergio Moro desembarca nesta quarta-feira 7 na capital para as primeiras reuniões do processo de transição. Moro vai se encontrar com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, para formalmente receber informações sobre a pasta.

O Ministério da Justiça incorporará Segurança Pública, a Controladoria-Geral da União e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, hoje sob tutela da Fazenda. Nesta terça 6, durante entrevista coletiva, Moro disse que quer ouvir os “colegas mais experientes” para iniciar os trabalhos.


09:05

A Força Aérea Brasileira registrou, em suas redes sociais, imagens do encontro do presidente eleito Jair Bolsonaro com o Comando da Aeronáutica. Ele está acompanhado dos generais Hamilton Mourão (PRTB), vice-presidente eleito, e Augusto Heleno, provável ministro da Defesa ou do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), além de um dos seus filhos, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)


08:41 – Paulo Guedes reúne equipe econômica

Indicado como futuro ministro da Economia, Paulo Guedes reúne seus assessores a partir das 9h, na sede do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), prédio público reservado para sediar o gabinete de transição. Na pauta, as primeiras informações recebidas do atual governo. O Ministério da Economia será criado por Jair Bolsonaro, a partir da fusão das pastas da Fazenda, do Planejamento e da Indústria.


08:10 – Café na Aeronáutica

Na manhã desta quarta-feira, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se encontra para um café da manhã com o comandante da Aeronáutica, o brigadeiro Nivaldo Rossato. Ontem, Bolsonaro já adiantou a possibilidade de rever um anúncio importante feito para a área militar: ao invés da pasta da Defesa, como havia sido definido, o general da reserva Augusto Heleno pode ser ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), abrindo espaço para que um outro nome pleiteie o ministério, responsável pelas Forças Armadas.

Na sequência do café, devem receber visitas do presidente eleito os presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha. À tarde, ele se reúne com a equipe de transição e, depois, Bolsonaro se encontra com o presidente Michel Temer (MDB).

Continua após a publicidade
Publicidade