Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ao TSE, ex-diretor da Odebrecht confirma que Temer pediu doações

Ex-diretor da Odebrecht, Claudio Melo Filho, confirmou todas as informações de sua delação aos procuradores da Lava Jato para o ministro Herman Benjamin

O ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Claudio Melo Filho, confirmou ao ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin que o presidente Michel Temer participou da reunião no Palácio do Jaburu e solicitou a Marcelo Odebrecht doações para o PMDB na campanha de 2014. Melo Filho confirmou todas as informações por ele entregues no acordo de colaboração premiada com a Lava Jato. O depoimento foi prestado no âmbito da ação que investiga abuso de poder político e econômico na campanha presidencial de 2014 e pode levar à cassação de Temer.

Em seu acordo, que vazou em dezembro do ano passado, Melo Filho detalha um encontro no Palácio do Jaburu no qual participaram, além dele próprio, Temer, o ministro Eliseu Padilha e Marcelo Odebrecht. “Eu participei de um jantar no Palácio do Jaburu juntamente com Marcelo Odebrecht, Michel Temer e Eliseu Padilha. Michel Temer solicitou, direta e pessoalmente para Marcelo, apoio financeiro para as Campanhas do PMDB no ano de 2014”, disse o ex-diretor.

Em depoimento à Justiça Eleitoral na semana passada, Marcelo Odebrecht disse não se recordar de Temer ter falado ou pedido 10 milhões de reais diretamente. O herdeiro da empreiteira confirmou o jantar no Palácio do Jaburu e disse que o encontro era sobre tratativas para as doações ao PMDB nas eleições de 2014, mas disse que não houve pedido expresso de valores por Temer. Segundo Odebrecht, o encontro serviria para confirmar que parte da doação ao partido seria destinada à campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo. O pagamento foi acertado, segundo Marcelo, entre Cláudio Melo e Eliseu Padilha. De acordo com Marcelo Odebrecht o acerto do valor foi feito depois da saída de Temer do local.

Ainda em seu relato para os procuradores da Lava Jato, Melo contou que parte dos pagamentos solicitados, cerca de 4 milhões de reais, “foram realizados via Eliseu Padilha, preposto de Temer, sendo que um dos endereços de entrega foi o escritório de advocacia do Sr. José Yunes, hoje Assessor Especial da Presidência da República”. De acordo com Melo, os outros 6 milhões de reais pedidos por Temer teriam sido “alocados o Sr. Paulo Skaff”, que foi candidato ao governo de São Paulo pelo PMDB.

Sobre Padilha e o também ministro Moreira Franco, Melo Filho contou na sua colaboração que se valia dos dois peemedebistas para fazer chegar em Temer os pleitos de interesse da construtora. Segundo ele, era de conhecimento de todos que Temer, historicamente, era o líder do grupo político do PMDB da Câmara.

“Resumindo, para fazer chegar a Michel Temer os meus pleitos, eu me valia de Eliseu Padilha ou Moreira Franco, que o representavam. Essa era uma via de mão dupla, pois o atual Presidente da República também utilizava seus prepostos para atingir interesses pessoais, como no caso dos pagamentos que participei, operacionalizado via Eliseu Padilha”, explicou Melo Filho em sua delação.

Também prestaram depoimentos ao TSE nesta segunda os executivos Hilberto Mascarenhas e Alexandrino Alencar. Mascarenhas foi chefe do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, conhecido como o departamento de propina, e operava pagamentos da contabilidade paralela da empresa. Já Alencar também foi diretor de relações institucionais da Odebrecht e vice-presidente da Braskem. A defesa do presidente Temer não foi encontrada para comentar o caso.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Heloisa Ozorio Rosa

    Até aí, nada de errado segundo a legislação vigente à época. O problema é saber a origem dessas doações e se foram delas prestadas contas à Justiça Eleitoral. A prática generalizada das empresas parece ter sido recorrer ao Caixa 2. Vamos ver.

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    CRáUDi@_MeLLeK.enGOV

    Curtir

  3. Genivaldo Marques

    Somos nós que determinamos até aonde queremos enxergar. É claro que é caixa 2, é claro que fruto de formação de cartel , de favorecimentos por emendas parlamentares. Esse era o jeito, até então, de se fazer política no Brasil. É preciso um basta a esses delinquentes do dinheiro público.

    Curtir

  4. Mesmo a doação legal é propina pois ninguém dá dinheiro de graça. A doação é nada menos que uma compra.

    Curtir

  5. Fábio Rui Silva

    “solicitou” e “doação”…
    A revista Veja agora tá fazendo piadas???

    Curtir

  6. Tudo bem. Ele pediu que a doação fosse feita via caixa 2, 3, 4, ou qualquer caixa que tivesse dinheiro. E caixa 2 é perfeitamente legal, diferente da corrupção. Não importa se caixa 2 é dinheiro obtido por favorecimento em contratos, não importa se caixa 2 é dinheiro sonegado de impostos, não importa se caixa 2 serve para comprar privilégios, não importa se caixa 2 serve exame te para corromper políticos, nada importa. Esse vazamento é obra dos esquerdistas vermelhos rubro negros mussolinianos de Castro que querem desestabilizar o excelente governo Temer para voltarem ao poder, dos fascistas da direita xucra relinchando mentiras para impedir as maravilhosa reformas falsas trabalhista e previdenciaria que visam matar os trabalhadores de tanto trabalhar e os aposentados que recebem uma miséria de aposentadoria, além, é claro, aumentar ainda mais o confisco através de extorsivos impostos para garantir uma vida melhor aos políticos e suas famílias. Kkkkkkkkkkkkkkkkk. …. da-lhe Tucanas do Azedo kkkkkkkkkkkkkk….

    Curtir

  7. Na época pedir doações era a coisa mais normal do mundo, por que mesmo essa insistência com relação à doações legais, será falta de assunto.

    Curtir

  8. O Brasil se tornou um estado criminoso não por ter sido capturado por criminosos, mas porque o Estado adotou o crime que é controlado pelos altos escalões do governo. Quando isso vai terminar?

    Curtir

  9. Essa empresa ou melhor organização criminosa tem que ser extinta. É um império do mal. Por onde passou deixou seus nefastos resultados da atividade criminosa. Não sabe trabalhar dentro das boas e honestas práticas comerciais. Se especializou na delinquência.

    Curtir

  10. Sergio Cihgral

    A questão não é pedir oferta para a campanha, mas é representar um governo que dá propina à terceiros com dinheiro do povo para depois “requisitar” parte da propina para abastecer campanha e bolso de seus componentes.

    Curtir