Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Ao reagirem a Haddad candidato, adversários citam Dilma e seu governo

Ciro e Marina comparam indicação do ex-prefeito por Lula à da ex-presidente como 'poste'; Geraldo fala em ‘explicação’ sobre 13 milhões de desempregados

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 12 set 2018, 20h23 - Publicado em 12 set 2018, 18h18

Após a substituição do ex-presidente Lula por Fernando Haddad como candidato do PT à Presidência da República, nesta terça-feira, 11, Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede), três dos principais adversários do petista na disputa pelo Palácio do Planalto, mostraram nesta quarta-feira, 12, em entrevistas, como buscarão um lugar no segundo turno diante da entrada do ex-prefeito de São Paulo na corrida presidencial.

As pesquisas eleitorais Datafolha e Ibope divulgadas nos últimos dois dias mostram Haddad com 9% e 8% das intenções de voto, respectivamente, empatado em segundo lugar dentro da margem de erro de dois pontos porcentuais com Ciro (13% e 11%), Marina (11% e 9%) e Alckmin (10% e 9%). Jair Bolsonaro (PSL) lidera em ambos levantamentos, com 22% no Datafolha e 26% no Ibope.

Rivais de Fernando Haddad na disputa pelo voto de esquerda e o espólio eleitoral de Lula, Ciro Gomes e Marina Silva compararam a indicação do ex-prefeito paulistano como candidato à da ex-presidente Dilma Rousseff, escolhida por Lula como sua sucessora em 2010 e deposta por um processo de impeachment em 2016, em meio a uma crise política agravada por escândalos investigados na Operação Lava Jato e à mais grave recessão econômica já enfrentada pelo país.

Em sabatina do jornal O Globo, Ciro declarou que “o Brasil não precisa de um presidente por procuração” e que o país “não aguenta outra Dilma, nesse sentido de uma pessoa assumir só porque é indicada pelo Lula”. Em busca do eleitorado lulista, sobretudo no Nordeste, por outro lado, o pedetista manteve a estratégia de não criticar diretamente o ex-presidente, de quem se disse “amigo há 30 anos”, ex-ministro e aliado “ao longo de 16 anos, não faltei nenhum dia”.

Ele ponderou que sua maior crítica ao PT é ter “manipulado” a lembrança positiva de parte da população em relação ao governo de Lula, mesmo sabendo que ele não seria candidato, para transferir votos ao seu substituto nas urnas. “Minha crítica é a essa dinâmica de, aproveitando a generosa gratidão que parte importante do povo tem pela obra do Lula, de repente você agora nomear uma pessoa. A gente já viu esse filme”, afirmou.

Ao citar especificamente Fernando Haddad, Ciro Gomes disse que o adversário “não conhece o Brasil, não tem experiência”. “Até ele saber onde fica a cabeça do cachorro, o Vale do Jequitinhonha, Mucuri, o Vale do Ribeira, o Alto Solimões… Aí fica difícil”, ironizou. Nesta semana, o pedetista já havia declarado que, na eleição municipal de São Paulo, em 2016, Haddad teve menos votos que a soma de votos brancos e nulos no pleito e perdeu no primeiro turno para o tucano João Doria.

Continua após a publicidade

Entrevistada por uma rádio de Belo Horizonte, também nesta quarta, Marina Silva afirmou que a indicação de Fernando Haddad “é muito semelhante” ao processo que fez de Dilma Rousseff o “poste” de Lula em 2010. “Aliás, tem um problema, a campanha do PT resgata apenas o governo Lula que deu certo. Depois do mensalão, começou por um processo de perda de ganhos que tinham acontecido inicialmente. É como se apagassem da história o governo Dilma-Temer”, disse a ex-ministra do Meio Ambiente no governo Lula.

“A população não pode deixar de pedir uma prestação de contas sobre uma eleição que levou o Brasil ao fundo do poço. Se continuar fazendo um voto em cima apenas de quem é indicado, nós vamos para um poço sem fundo”, criticou.

Em agenda de campanha na capital mineira, Marina afirmou que Haddad deve explicar por que o governo Dilma “acabou com as coisas boas que o governo do PT tinha feito e aumentou as coisas erradas que fez, sobretudo no caso da corrupção”. Ela citou os cerca de 13 milhões de desempregados entre as questões a serem cobradas do petista.

Geraldo Alckmin, candidato pelo partido que polarizou com o PT o segundo turno das eleições presidenciais desde 2002, também citou a crise legada pelo governo Dilma para indicar pontos que devem ser “explicados” por Fernando Haddad. “Agora ele vai ter que se apresentar como candidato e explicar os 13 milhões de desempregados, fora outro tanto no desalento e no subemprego. Tem que explicar, porque isso não começou hoje. Isso é herança do período do PT”, disse Alckmin.

Continua após a publicidade

Contando que Haddad estará no segundo turno, o tucano também tentou se apresentar ao eleitor antipetista como a opção mais viável para evitar, na parte decisiva da eleição, a volta do partido de Lula ao Palácio do Planalto. Em visita a uma fábrica de revestimentos automotivos em Betim (MG), Alckmin declarou que “Bolsonaro é o passaporte para a volta do PT”.

“É só olhar o segundo turno. Eu acho que [Bolsonaro] não vai [ao segundo turno], mas, se for, é um perigo, porque é um passaporte pra voltar o PT. Você vota em um e elege o outro, isso é um fato”, declarou.

A avaliação do ex-governador de São Paulo sobre o desempenho de Jair Bolsonaro no segundo turno leva em conta a pesquisa Datafolha divulgada na última segunda-feira, 10. Em um cenário que opõe Haddad e Bolsonaro, o ex-prefeito tem 39% e o deputado federal, 38%, um empate técnico dentro da margem de erro. Quando o adversário do petista é Alckmin, o tucano vence por 43% a 29%.

Na porção propriamente antipetista de seu discurso, o tucano disse que “é inacreditável você lançar uma candidatura na porta da penitenciária”, em referência à oficialização de Haddad como candidato, em Curitiba, em frente à Superintendência da Polícia Federal, onde Lula está preso desde abril.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.