Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Alvo da PF, ativista bolsonarista ataca ministro do STF: “Covarde”

Operação na residência de Sara Winter faz parte do inquérito que apura ataques a ministros do Supremo e seus familiares nas redes sociais

Por André Siqueira Atualizado em 27 Maio 2020, 10h17 - Publicado em 27 Maio 2020, 09h44

Alvo de uma operação da Polícia Federal (PF) relacionada ao inquérito das fake news, conduzido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a ativista bolsonarista Sara Winter atacou o ministro Alexandre de Moraes em sua conta no Twitter. Moraes expediu 29 mandados de busca e apreensão para serem cumpridos em cinco estados e no Distrito Federal.

“A Polícia Federal acaba de sair da minha casa. Bateram aqui às 6h da manhã a mando do Alexandre de Moraes. Levaram meu celular e notebook. Estou praticamente incomunicável! Moraes, seu covarde, você não vai me calar”, disse.

Reportagem de VEJA desta semana mostra que Sara Winter é líder do acampamento dos autodenominados “300 do Brasil”, título em referência aos espartanos que lutaram até a morte contra a invasão persa na Grécia antiga, segundo relato do historiador Heródoto (484-425 a.C.).

A ativista ficou ficou conhecida ao participar seminua de ações do grupo feminista radical Femen. Abandonou o movimento dizendo-se traída e tornou-se uma católica fervorosa contra o aborto. Tão fervorosa que trabalhou até outubro para Damares Alves no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Agora, ganhou projeção ao sugerir que havia armas entre os “300 do Brasil”, algo que negou após o Ministério Público entrar com uma ação contra o movimento.

 

Continua após a publicidade

Como mostra o Radar, os mandados de busca e apreensão expedidos por Moraes são cumpridos no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. As investigações em curso no STF tratam de ameaças feitas por bolsonaristas a ministros e seus familiares nas redes sociais.

Responsável pelas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) afirmou, em sua conta no Twitter, que o inquérito é “inconstitucional, político e ideológico”. “O que está acontecendo é algo que qualquer um desconfie que seja proposital. Querem incentivar rachaduras diante de inquérito inconstitucional, político e ideológico sobre o pretexto de uma palavra politicamente correta? Você que ri disso não entende o quão em perigo está!”, escreveu.

O filho Zero Dois de Bolsonaro tem influência sobre o chamado “gabinete do ódio”, estrutura que funciona dentro do Palácio do Planalto e atua nas redes sociais para atacar adversários do presidente.

O vereador carioca, no entanto, não está entre os alvos da operação deflagrada hoje, que mira os deputados federais Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Luiz Phelippe de Orleans e Bragança (PSL-SP), Junio Amaral(PSL-MG), Daniel Silveira (PSL-RJ) e Filipe Barros (PSL-PR) e os deputados estaduais de São Paulo Gil Diniz (PSL) e Douglas Garcia (PSL).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)