Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Aliados de Bolsonaro tentaram jogada final na véspera do julgamento no TSE

Derrota com dois votos divergentes foi contabilizada como um tento para a construção do discurso político de vítima da Justiça

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 1 jul 2023, 12h49

Sem alarde, aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro compareceram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na quarta-feira, 21. Era véspera do início do julgamento que nesta semana confirmou a inelegibilidade do capitão pelo período de oito anos, e buscava-se uma saída para evitar o banimento das urnas pelo menos até 2030. Embora não tivessem apresentado nenhuma proposta concreta aos integrantes do TSE que analisariam as acusações de abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação, os enviados bolsonaristas foram instruídos a sentir o terreno.

Votos divergentes da tese de inelegibilidade, por exemplo, eram contabilizados como cruciais para a construção do discurso político de nem todo o tribunal presidido pelo antagonista do bolsonarismo, o ministro Alexandre de Moraes, concordava que ele tivesse praticado crime. Também eram importantes para inflar o recurso que advogados do capitão pretendem apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) alegando cerceamento de defesa – a inclusão da minuta do golpe, por exemplo, sequer havia sido descoberta nos primeiros interrogatórios do caso, como o do então ministro de Relações Exteriores Carlos França, arrolado pela equipe de Bolsonaro.

A poucos quilômetros dali, no entanto, o próprio ex-presidente daria um jeito de minar, á sua maneira, a missão dos aliados ao TSE. Ele visitou o gabinete do filho, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), e apesar de instruído por sua equipe a não bater de frente com qualquer um dos sete ministros da Justiça Eleitoral, provocou o relator do caso, o corregedor-geral eleitoral Benedito Gonçalves. “Tenho certeza que até o Benedito, ministro do STJ, agora integrante, como relator do TSE, vai mudar o seu voto. Senhor Benedito, é questão de coerência”, disse. Na sequência, uma estocada no presidente da Corte: “temos o fato de que, por coincidência, por ironia do destino, o senhor Alexandre de Moraes é presidente do TSE. (…) Será péssimo para a democracia se eu for julgado de forma diferente como foi a chapa Dilma-Temer em 2017”.

Ato contínuo, ainda do TSE os emissários do ex-presidente telefonaram para o presidente do PL Valdemar Costa Neto para reclamar da postura do capitão. Disseram, entre outras coisas, não conseguirem conter a verborragia de Bolsonaro em um momento delicado de sua carreira política. No dia seguinte, veriam o ex-mandatário ampliar ainda mais as críticas ao tribunal e pressionar para que um dos ministros interrompesse o julgamento com um pedido de vista. Na sexta-feira 30, o TSE decidiu, por cinco votos a dois, declarar Jair Bolsonaro inelegível pelo período de oito anos. A vista não veio, mas os dois votos contrários à tese de acusação – dos ministros Raul Araújo e Kássio Nunes Marques – foram comemorados como uma pequena vitória jurídica.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.