Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Aliado de Wagner é cotado para Justiça. Destino de Cardozo deve ser AGU

Substituição do atual ministro, que deixou a pasta em meio à pressão do PT para influenciar as investigações da PF, deve ser anunciada ainda hoje

Por Da Redação 29 fev 2016, 14h55

Com sua saída do Ministério da Justiça dada como certa, José Eduardo Cardozo deve assumir a Advocacia-Geral da União (AGU). O anúncio deve ser feito ainda nesta segunda-feira. A presidente Dilma Rousseff está avaliando nomes para substituir o atual ministro, com quem se reuniu pela manhã, após a reunião de coordenação política, no Palácio do Planalto.

A expectativa é que Cardozo ocupe o lugar de Luís Inácio Adams na AGU. Como Adams já havia manifestado o interesse em sair, Dilma estava há algum tempo, segundo interlocutores da presidente, avaliando nomes para o cargo. Agora, com a saída iminente de Cardozo e sua ida para a AGU, a lista serviria possivelmente para encontrar o substituto de Cardozo.

Um dos cotados é o procurador e ex-chefe do Ministério Público da Bahia Wellington Cesar. O nome dele foi levado à presidente pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner. O procurador esteve recentemente com Wagner, que tem dito que o currículo de Cesar é considerado “muito bom”.

Diante da possibilidade do aliado de Wagner assumir a pasta, delegados da Polícia Federal já se movimentam contra a nomeação, como informa a coluna Radar. Haverá uma reunião entre os diretores nacionais e regionais da associação dos delegados (ADPF), no próximo dia 8, para discutir medidas a serem tomadas contra a indicação. Homem de Lula no governo, Wagner assumiu a Casa Civil na reforma ministerial promovida pela presidente em busca de apoio político.

Cardozo decidiu deixar o governo justamente diante da pressão dos petistas para influenciar os rumos da Lava Jato, cada vez mais perto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

(Com agências Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade