Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Alckmin volta a descartar racionamento de água em SP

Governador, porém, sugere mais medidas educativas para economizar água

Por Da Redação - 9 fev 2014, 16h37

O governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, descartou neste domingo, um racionamento de água no estado. Os principais reservatórios, entre eles o Sistema Cantareira, que abastece boa parte da capital, estão com baixo índice de reserva e as próximas chuvas estão previstas para daqui a 15 dias, aproximadamente, segundo meteorologistas. Em visita oficial a Taubaté, no Vale do Paraíba, Alckmin comentou que o momento é para investir em campanhas educativas para evitar o desperdício dos recursos hídricos. “Neste momento não haverá racionamento”, afirmou, acreditando que a chegada das chuvas deverá trazer um alívio para os baixos níveis dos reservatórios.

Entre as ações sugeridas pelo governador estão economia de água ao escovar os dentes com a torneira desligada e mais rapidez nos banhos. “Todos colaborando não vai faltar água”, incentivou. O volume de armazenamento do Sistema Cantareira caiu mais um pouco neste final de semana, baixando para menos de 20%. A capacidade dos reservatórios que fornecem cerca de 50% de toda a água da Região Metropolitana de São Paulo chegou a 19,8% neste domingo. Na região choveu neste mês somente 1,3 mm na área das cabeceiras, agravando o pior cenário enfrentado pelo Cantareira em sua história. No ano passado, nesta mesma época do ano, o volume era de 53,6%, com uma chuva acumulada no mês de fevereiro de 85,8 mm.

Leia também

Sabesp contrata empresa para fazer chover no Sistema Cantareira

Publicidade

Reservatórios do Sudeste continuam em queda

Sudeste e Sul deveriam racionar 5% da energia

A situação foi provocada por uma seca atípica no mês de janeiro, historicamente o de maior chuva na região. Neste ano, choveu somente 87,8 mm, contra uma média histórica de 259,9 mm. Na Região Metropolitana de São Paulo, cidades como Guarulhos, Diadema e São Caetano já adotaram medidas de racionamento de água. Sorocaba também instituiu a política. Na capital, foi criado um programa de descontos na conta de quem reduzir 20% do consumo.

Na sexta-feira, a Agência Nacional de Águas (ANA), o Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), e a Sabesp oficializaram a criação do comitê anticrise antecipado pelo jornal O Estado de S. Paulo para tentar evitar o racionamento generalizado nas cidades abastecidas pelo Sistema Cantareira, incluindo a capital. O grupo decidiu suspender temporariamente a discussão da renovação da outorga do manancial, que deve ocorrer em agosto.

Publicidade

Sistema Cantareira – A Sabesp informou por meio de nota que não deverá fazer alterações na operação do sistema Cantareira, em razão da queda do nível dos reservatórios abaixo dos 20%. Neste domingo, a Sabesp informou que índice de água do sistema chegou a 19,8%. “A Sabesp esclarece que o fato do sistema Cantareira estar abaixo dos 20% não altera as medidas operacionais. Apesar de ser o menor índice da história do sistema, a Companhia espera as chuvas previstas para a segunda quinzena de fevereiro”, disse a empresa.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade