Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Alckmin diz que, se eleito, privatizará ‘tudo o que for possível’

Tucano afirmou que inúmeras áreas da Petrobras podem ser privatizadas e que, com um "bom marco regulatório", toda estatal pode ser vendida

Por Da Redação Atualizado em 7 fev 2018, 19h11 - Publicado em 7 fev 2018, 18h16

Pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que vai privatizar “o que for possível” das estatais brasileiras, caso vença as eleições de 2018. Nas contas do tucano, a União possui hoje 147 estatais e é preciso avaliar “a necessidade de cada uma”.

O tema das privatizações dominou a entrevista de Alckmin, na sede do PSDB, em Brasília, depois de ele dizer a empresários da construção civil, mais cedo, que é possível privatizar toda a Petrobras no futuro. “Inúmeras áreas da Petrobras que não são o core (núcleo do negócio), o centro objetivo principal, tudo isso pode ser privatizado. E se tivermos um bom marco regulatório, você pode até no futuro privatizar tudo, sem nenhum problema”, disse.

O candidato do PSDB à presidência da República Geraldo Alckmin durante campanha em Brasília, 2006
Alckmin posa com colete com logotipos de estatais na tentativa de se afastar da pecha de privatista nas eleições de 2006 Alan Marques/Folhapress/VEJA

O tucano foi questionado se recuou no discurso de 2006, quando negou que iria privatizar as empresas brasileiras e perdeu a disputa presidencial para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “O que houve na campanha de 2006 é que Lula mentia. Lula dizia que eu iria privatizar o Banco do Brasil, o que eu não pretendo até hoje fazer”, disse. Mas Alckmin evitou falar na contradição em relação ao discurso daquela eleição. 

Na entrevista, Alckmin também respondeu sobre declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em favor de novas candidaturas, como a do apresentador da TV Globo Luciano Huck. “Foi o FHC que insistiu para eu ser candidato. Eu sou o primeiro a elogiar o Luciano Huck. Ele é uma jovem liderança com espírito público”, disse.

Continua após a publicidade

O tucano também minimizou os resultados das últimas pesquisas eleitorais, nas quais ainda não decolou – na última pesquisa Datafolha, ele chegou, no melhor cenário, a 11% das intenções de voto (sem Lula) e 7% (com Lula) . “As mudanças acontecem no final. Só nós estamos interessados nisso, a política é um tema árido. Maioria da população ainda não tem focado no tema”, argumentou.

‘Sem gladiadores’

Mais cedo, em evento com empresários da construção civil, Alckmin falou sobre seu perfil. “Não sou um showman. Me apelidaram de picolé de chuchu. Quem quiser ver show vá ver o gênio do Tom Cavalcante. Precisamos resolver problemas. O Brasil precisa de construtores, não gladiadores.” Na ocasião, o tucano ainda argumentou que as eleições de 2018 darão “legitimidade” para medidas reformistas e afirmou que o próximo presidente precisa aproveitar os primeiros seis meses de governo para implantar essas medidas.

“Claro que não é fácil fazer reformas no último ano de governo. As grandes reformas constitucionais, você tem que fazer no primeiro ano, porque quem for eleito vai ter quase 70 milhões de votos. A legitimidade disso é impressionante. Quem for eleito tem que aproveitar os primeiros seis meses para fazer todas as reformas para poder deslanchar”, disse. Alckmin defendeu a reforma da Previdência. “Todo empenho na reforma agora. Mesmo que não seja o ideal, mas é necessário e importante”, afirmou.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)