Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Aécio: governo Dilma era bilhete falsificado de loteria

Em entrevista ao Jornal da Globo, candidato do PSDB prometeu política fiscal transparente e disse que a imagem de gestora da presidente não se concretizou

Por Da Redação 4 set 2014, 01h55

Em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de votos, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, afirmou na madrugada desta quinta-feira, em entrevista ao Jornal da Globo, que o país precisa reorganizar a economia, “mas que um conjunto de boas intenções não resolve”. Foi uma dupla crítica: o tucano associou falhas na atual gestão da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição, ao que chamou de “propostas inexequíveis” da adversária Marina Silva, do PSB.

Leia mais: Pesquisas mostram consolidação do embate entre Dilma e Marina

“O Brasil comprou um bilhete falsificado de loteria: uma grande gestora que colocaria o Brasil em ordem e o faria crescer. Não aconteceu”, disse o tucano, segundo quem seu governo seria marcado pela “previsibilidade” e por uma política fiscal transparente. Mais de uma vez, repetiu: “Não será um governo de sustos, com cenário de estabilidade”.

Nos 23 minutos de entrevista, Aécio foi confrontado com questões sobre economia, especialmente sobre emprego e questões trabalhistas. O tucano afirmou que “economia que não cresce não gera emprego”. Os entrevistadores o questionaram sobre o seguro-desemprego: “Estamos debatendo intensamente como reorganizar o seguro-desemprego. Existem exageros que têm de ser contidos”. Na sequência, Aécio afirmou que pretende corrigir falhas. “Onde estão os exageros vamos corrigi-los, como vamos fazer em todo o governo, em todos os programas”, disse. E concluiu: “O filme em relação ao emprego é preocupante, vamos ter taxas de desemprego crescendo pelos próximos meses”.

Leia mais:

Nem a favor nem contra: o ‘marinês’ no Jornal da Globo

As perguntas que Dilma não quis responder na TV

Aécio admitiu que sua situação “não é confortável”, segundo as últimas pesquisas, mas repetiu que não aposta na presença de Dilma no segundo turno “pelo conjunto da obra” nem na vitória de Marina pela falta de “consistência de suas propostas”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)