Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

A simbologia do sindicato dos metalúrgicos: da Força, para o PT

Lançamento da candidatura de Luiz Marinho ocorre em sindicato ligado a Paulinho da Força, que apoia o tucano Geraldo Alckmin na corrida presidencial

Por Eduardo Gonçalves Atualizado em 28 jul 2018, 15h44 - Publicado em 28 jul 2018, 12h04

A convenção estadual do PT ocorre neste sábado num local simbólico – o sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, no centro da capital. A categoria é filiada à Força Sindical, que na figura do seu líder máximo, Paulinho da Força, apoiou o governo do presidente Michel Temer (PMDB) em oposição ao PT.

Paulinho, que deixou o comando da central sindical para se candidatar a deputado pelo Solidariedade, apoiou o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e hoje integra a coligação do pré-candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin. No plano estadual, ele faz parte da aliança formada em torno do governador de São Paulo, Márcio França (PSB), que tenta a reeleição contra o pré-candidato do PT Luiz Marinho.

O auditório do sindicato, transformado em palco do lançamento oficial da candidatura de Marinho, representa um racha político na central sindical, que agora se encaminha para os braços do PT depois do descontamento com a reforma trabalhista e o fim do imposto sindical, aprovados pelo governo Temer.

“Marinho, nós vamos até as fábricas conseguir voto para você”, exclamou Nelson Xepa, um dos diretores do Sindicato dos Metalúrgicos que discursou representando o atual presidente da Força, Miguel Torres, aliado de Paulinho. Torres faltou ao evento, mas enviou um vídeo de apoio a Marinho, que teve uma longa trajetória como líder sindical – foi presidente da CUT e dirigente do sindicato dos metalúrgicos do ABC.

“Para nós, isso é um ato de prestígio”, disse o deputado Vicente Cândido, coordenador de campanha de Luiz Marinho. Os eventos do PT geralmente são feitos na sede dos sindicatos dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, ou dos Bancários, no centro de São Paulo, que são filiados à CUT, central sindical aparelhada pelo PT.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)