Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A pedido de Lula, Odebrecht deu R$ 3 milhões a ‘Carta Capital’

Dinheiro saiu do departamento de propinas da empreiteira. Dinheiro foi registrado como “empréstimo” quitado “com espaços publicitários na revista”

A delação da Odebrecht revela como era rentável para a chamada “mídia progressista” a relação com o governo do PT. Além de ajudar a financiar campanhas e a enriquecer políticos corruptos com milionárias propinas, a estrutura montada pela empreiteira também ajudou a financiar veículos de comunicação notoriamente ligados ao PT, como a revista Carta Capital. Marcelo Odebrecht e seu pai, Emílio Odebrecht, revelaram em suas delações que pagaram 3 milhões de reais em propinas à revista.

Em um primeiro momento, o pedido de dinheiro foi apresentado a Marcelo Odebrecht e a outro delator da empreiteira pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Logo em seguida, o próprio ex-presidente Lula, valendo-se de sua relação de amizade com Emílio Odebrecht, procurou o patriarca da família para reforçar o apelo financeiro.

“O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega teria solicitado ao colaborador Marcelo Bahia Odebrecht apoio financeiro à Revista Carta Capital, pleito também feito ao colaborador Emílio Alves Odebrecht pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. O pedido teria sido atendido e o Grupo Odebrecht, a título de empréstimo, efetuou o repasse de 3 milhões de reais, soma quitada na forma de compensação com espaços publicitários”, registra o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal.

Segundo os delatores, o dinheiro repassado à revista saiu do notório Setor de Operações Estruturadas, o departamento de propina que abasteceu dezenas de campanhas e ajudou a enriquecer centenas de corruptos no Brasil e no exterior. Além de retirar o sigilo do caso, o ministro Edson Fachin acatou o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e determinou o envio do caso envolvendo a Carta Capital à Procuradoria da República no Estado de São Paulo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ronaldo Pretti

    . . . quitada com espaço publicitário . . .! Mesmo que não tenha sido por iniciativa própria, o dinheiro representa pagamento do espaço publicitário usado.

    Curtir

  2. Lula, o presidente com mais prestígio de todos!!! Prestigio comprado!! Nao há nada que nao se compre neste país. Decadencia total!

    Curtir

  3. . “quitada com espaço publicitário…” Mas isso não é propina..rs

    Curtir

  4. Reinaldo Favoreto

    por isso que carta capital bloqueia comentários… quem diria hein? quem poderia imaginar?tô beje. Agora vão descobrir que a bíblia não foi escrita por deus, só pode

    Curtir

  5. AUGUSTO MARAJÓ

    Muito bem, Fachin, agora, só falta pegar os milhares de blog’s e outros meios de comunicação petistas, e assassinos de mentes, e que são uma espinha na bunda da mediocridade.

    Curtir

  6. Ricardo Andreucci

    Infelizmente a pessoa com a alma mais honesta do Brasil, é um profissional da corrupção, não deixa rastros escritos, tudo tratado verbalmente, assim fica fácil negar. Assim, não sei como as provas das delações poderão aparecer. A lista da Odebrecht não creio ser uma prova, apenas indício ou evidencia, para indiciamento. O mesmo ocorre com os demais políticos envolvidos. São tantos, que talvez em 2040 teremos alguma condenação.

    Curtir

  7. Gerson Henkin

    Alguma citação ao sr. Olá Todo Bem (Paulo Henrique Amorim)? Será se ele levou algum? Vamos aguardar…

    Curtir

  8. Ronalde Segabinazzi

    Ato típico de comunistão como o Mino Carta

    Curtir

  9. Onde esse Lula botou a mão virou m…..
    Seus eleitores devem estar orgulhosos! Panacas!

    Curtir

  10. Luiz Roberto Costa

    Eu não sei como, ainda, alguém como o pseudo jornalista Mino Carta, Paulo Henrique Amorim, Juca Kfouri e outros que prefiro não citar, pensam que enganam alguém com suas defesas desmedidas ao lulopetismo.
    Só mesmo sendo comprados eles conseguem algum espaço onde escrever.
    E pensam que enganam alguém.
    Deixei de assinar a Folha por causa de alguns tipos assim….

    Curtir