Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A marca da estabilidade

Pesquisa VEJA/FSB mostra que o presidente Jair Bolsonaro atravessa as turbulências de opinião pública preservando o capital das urnas do ano passado

A segunda rodada da pesquisa VEJA/FSB confirma uma tendência que se consolida desde abril/maio: a estabilidade dos índices de Jair Bolsonaro. O presidente atravessa as turbulências de opinião pública preservando o capital das urnas do ano passado. Uma proporção semelhante aos eleitores dele no primeiro turno perfila no bom e ótimo, e uma fração parecida com os do segundo turno mantém a esperança de o governo alguma hora entregar a mercadoria.

Bolsonaro beneficia-se também da recente inversão estatística entre os blocos de eleitores que tendem à direita e os que se inclinam à esquerda. Entre Collor e FHC, o primeiro grupo manteve sobre o segundo uma margem na ordem de grandeza de dois dígitos. Lula inverteu esse balanço em 2002, com vantagem, movimento produto da frustração econômica no segundo mandato do tucano, e também da fadiga de material.

Essa inversão propiciou ao PT/esquerda uma gordura eleitoral que, mesmo sendo progressivamente queimada, trouxe a seus candidatos mais vitórias seguidas no mano a mano contra o PSDB nas três sucessões presidenciais seguintes. A balança só voltou a inverter ano passado, quando o tsunami anticorrupção se somou aos péssimos resultados econômicos, que caíram na conta do candidato do PT, apesar de o partido ter deixado o poder em 2016.

A pesquisa publicada nesta edição de VEJA mostra que se Lula continua o nome mais competitivo da esquerda, Jair Bolsonaro só é ameaçado quando desafiado por alguém de seu próprio campo político. Esse dado é consistente com a inversão de blocos descrita acima. Outra conclusão: marcas autodeclaradas de centro são competitivas no segundo turno, mas o desafio delas é chegar lá. Como as propostas de “terceira via” puderam notar nas três últimas eleições presidenciais.

Mas os números exibem também que hoje Lula está praticamente ilhado no eleitorado do PT, pois sua vantagem sobre Fernando Haddad nas simulações de segundo turno fica apenas algo acima da margem de erro. O que leva o analista a uma hipótese que jamais poderá ser comprovada, e portanto tampouco refutada: é bastante provável que se Lula estivesse elegível, mesmo assim Bolsonaro seria favorito em 2018 num hipotético segundo turno contra o ex-presidente.

Ou seja, a ideia de que Lula solto seria imbatível serve bem à narrativa de seus apoiadores para travar a luta política contra Bolsonaro e Sergio Moro, mas não necessariamente traduz o cenário eleitoral recente e muito menos o vindouro. O desafio da esquerda é retomar uns 10% do eleitorado, grupo cujo deslocamento à direita deu ao atual presidente os votos necessários para fechar a fatura em 2018. E esse grupo vem mantendo a confiança em Bolsonaro.

As simulações de segundo turno traduzem que a esquerda retém seus apoiadores do ano passado, mas ainda não penetrou no voto bolsonarista. Uma hipótese: o presidente está em início de mandato, e não há mesmo motivo para fazer julgamentos definitivos do que será afinal o governo dele. Outra hipótese: a esquerda está por enquanto apenas repisando nos temas caros ao eleitorado dela, atacando o conservadorismo de Bolsonaro. Ainda não abordou a economia.

Eis o ponto-chave. Bolsonaro mantém uma margem boa sobre a esquerda, mas não pode ser considerada confortável. Para evitar um “efeito-Macri”, a cruzada conservadora e a pregação contra o Foro de São Paulo não serão suficientes. Pois os principais concorrentes do presidente e candidato à reeleição são dois nomes não filiados a nenhum partido, e que nem podem concorrer em 2022: a “estagnação econômica” e a “taxa de desemprego”.