Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

A mais nova fake news contra Moro: milhões de dólares embolsados

Ex-juiz soube da existência de um suposto relatório que dizia que ele teria recebido uma bolada astronômica da consultoria Alvarez&Marsal

Por Laryssa Borges Atualizado em 28 mar 2022, 17h33 - Publicado em 23 jan 2022, 09h06

Nos primeiros dias do ano, Sergio Moro recebeu a informação de que circulava pelo mundo político um suposto relatório de inteligência financeira que lhe atribuía um salário acumulado de 5 milhões de dólares nos meses em que atuou como diretor contratado pela consultoria americana Alvarez&Marsal. O documento, identificado como falso pelo ex-juiz, integra mais uma das armas de ataque contra o pré-candidato do Podemos à Presidência da República e reforça suspeitas de integrantes do Tribunal de Contas da União (TCU), que tentam descobrir se houve irregularidades ou uso ilegal de dinheiro público na passagem de Moro pela iniciativa privada.

A ironia da nova fake news contra o ex-magistrado é que o laudo do suposto monitoramento em suas contas bancárias e que comprovaria os milhões de dólares embolsados teria sido feito pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf, órgão de inteligência responsável por rastrear indícios de lavagem de dinheiro e que, desidratado pelo governo Bolsonaro, foi o estopim do processo que levou o hoje presidenciável a pedir demissão do Ministério da Justiça em 2020.

No TCU, onde o subprocurador do Ministério Público junto a instituição Lucas Furtado e o relator Bruno Dantas são críticos notórios da Operação Lava-Jato, órgãos técnicos da Corte já se manifestaram, por mais de uma vez, contra a devassa no histórico de Moro como executivo e afirmaram não haver irregularidades contra o ex-juiz. “O modelo de negócio adotado pelo Grupo (Odebrecht), baseado no cometimento de fraudes, corrupção e ‘caixa 2’, por muito mais de uma década, é que o levou à situação atual de recuperação judicial e a própria condição de investigado”, diz o parecer dos técnicos anexado ao caso.

Ainda assim, o tribunal prepara novas frentes de investigação para tentar corroborar a tese de que Sergio Moro utilizou informações confidenciais da Lava-Jato, como o acordo de leniência da Odebrecht, para lucrar na iniciativa privada e fechar contrato com a consultoria americana, responsável pelo processo de recuperação judicial da empreiteira. Uma delas é apurar se havia uma espécie de cláusula não escrita, supostamente feita por membros do Ministério Público que atuaram no petrolão, para que a Alvarez&Marsal fosse contratada em casos de administração judicial pós-Lava-Jato. Uma reportagem da nova edição de VEJA mostra que empresas investigadas no petrolão respondem por 75% da arrecadação da Alvarez&Marsal no Brasil.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês