Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A integrantes do governo, Bolsonaro lamenta pressões da ‘velha política’

Presidente participou de uma videoconferência com grupo liderado por Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, que está na Antártica em visita oficial

Em videoconferência com ministros em viagem oficial à Antártica, nesta segunda-feira, 11, o presidente Jair Bolsonaro se declarou incomodado com pressões que recebe da “velha política” – descrita em outras ocasiões como a troca de favores e nomeações para cargos para manter a governabilidade. A fala ocorreu no mesmo dia em que o governo liberou 1 bilhão de reais para deputados e bancadas em ação durante a campanha pela aprovação da reforma da Previdência.

“Vocês sabem que as pressões são enormes porque a velha política sempre parece que quer nos puxar para fazer o que faziam antes. Nós não pretendemos fazer isso. Sabemos que aquele caminho está errado. […] O nosso caminho aqui é diferente do anterior”, disse Bolsonaro.

Ele afirmou que pretende manter o caráter “técnico” dos ministérios. “Já há uma consciência dos parlamentares de que nós queremos manter esse ministério técnico, dando liberdade aos ministros para escolher suas equipes; de que nós devemos sair dessa inanição, desse processo que tínhamos até pouco tempo. O Brasil tem tudo para dar certo”.

O presidente Jair Bolsonaro participou de uma videoconferência com o ministro Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, que está na Antártica em visita oficial ao Programa Antártico Brasileiro, para dar marcar o início do funcionamento da nova estrutura de serviços de telecomunicações na Estação Antártica Comandante Ferraz.

Orgulho por ações na Antártica

Bolsonaro afirmou que a presença de Onyx na região é motivo de “orgulho” para os brasileiros. “Esse povo nosso é bem acolhido em qualquer lugar do mundo. E nesse momento que vocês estão aí na Antártica é motivo de alegria, satisfação e orgulho para todos os brasileiros”, disse.

O presidente ainda afirmou que pretende visitar o local. “Pretendo ir aí. Nada como ir in loco para saber como o pessoal vive para que possamos até valorizá-los.”

A nova estrutura é resultado de um acordo entre a Marinha e a empresa de telefonia Oi, com participação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

O acordo prevê “serviços de internet fixa de alta velocidade, que permitem transmitir dados, fazer videoconferências e ligações; rede móvel com conexão 4G; acesso wi-fi distribuído por toda a base naval; e sistema de recepção de sinal de TV”. Segundo a Anatel, os serviços vão ajudar nas pesquisas desenvolvidas na estação, como de clima e agricultura, e diminuir a sensação de isolamento aos pesquisadores e militares que trabalham na região mais gelada do mundo.

O ministro Marcos Pontes, do MCTIC, participou da videoconferência de Houston, nos Estados Unidos. Em Brasília, estavam o ministro da Defesa, Fernando Azevedo; o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno; o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez; o almirante de esquadra Ilques Barbosa Junior, Comandante da Marinha; além de outros representantes da Marinha e dos ministérios da Ciência e Tecnologia e Defesa. Da Antártica, além de Lorenzoni, participaram da conversa o almirante de esquadra Cláudio Portugal de Viveiros, o chefe de Assuntos Estratégicos do Ministério da Defesa, representantes da Anate e da Oi.

(Com Agência Brasil)