Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

A estratégia de Bolsonaro para a campanha nos estados

Para evitar conflitos na base de apoio ao governo, presidente planeja pedir votos apenas para os candidatos ao Senado

Por Letícia Casado 9 abr 2022, 18h58

O encerramento da janela partidária, em 2 de abril, mostrou a força que o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem no Congresso. Os partidos que mais cresceram são os que formam o tripé de sustentação do governo.

O PL, legenda à qual Bolsonaro se filiou em novembro, virou a maior bancada da Câmara e passou de 43 para 78 deputados; o PP, de 38 para 52; e o Republicanos, de 30 para 41.

Os parlamentares vão tentar a reeleição em outubro. E querem o apoio do presidente.

Para evitar conflitos, já que muitos deles vão concorrer entre si no mesmo estado, Bolsonaro planeja pedir votos apenas para senadores na campanha, uma vez que será disputada apenas uma vaga por unidade da federação.

“É complicado para o presidente, por exemplo, chegar na televisão e dizer ‘vote no 22’. O que o PP vai falar, o que o pessoal do Republicanos vai falar? É complicado, é o que ele não quer fazer”, diz Valdemar Costa Neto, presidente do PL, dono do número 22 nas urnas. “Para o senador ele pode trabalhar, mas pedir voto para o partido é complicado. Nós vamos defender que o eleitor vote 22 e confirme, mas ele não pode fazer isso”, acrescentou.

Uma amostra de como deve ser a relação de Bolsonaro se equilibrando neste tripé ocorreu na semana passada. Na noite de quarta, 6, o presidente passou nos jantares de PL e do PP. E o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes, filiado Republicanos para concorrer ao governo de São Paulo, também foi ao evento do PL —mesmo já tendo sido desafeto de Costa Neto, com quem fez as pazes e que comanda com mãos de ferro o partido do qual o ministro precisa do apoio para o pleito paulista.

O jantar do PL contou com 59 deputados e 7 senadores. Bolsonaro ficou cerca de meia hora no local. O presidente não discursou, mas seu filho Flávio Bolsonaro, senador pelo Rio de Janeiro, falou em seu nome, agradeceu a presença dos colegas de parlamento e parabenizou a bancada.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês