Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

À espera da prisão, João Paulo recebe José Rainha

Ex-líder do MST visitou mensaleiro nesta quarta, em Brasília; deputado petista aguarda ordem de prisão para se apresentar à Polícia Federal

Por Gabriel Castro, de Brasília - 8 jan 2014, 18h58

Enquanto aguarda o mandado de prisão para se entregar à Polícia Federal, o deputado mensaleiro João Paulo Cunha (PT-SP) recebe visitas de amigos em seu apartamento, em Brasília. Nesta quarta-feira, quem apareceu foi José Rainha, ex-líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Rainha, que já foi preso treze vezes, levou ao petista suas recomendações para a vida no cárcere. Quando esteve na cadeia, o sem-terra recebeu visitas de João Paulo Cunha. Os ex-deputados Paulo Rocha (PT-PA) e Virgílio Guimarães (PT-MG) também estiveram na casa do mensaleiro esta quarta-feira.

O deputado petista está em seu apartamento funcional, no Bloco I da superquadra 311 Sul, enquanto não é obrigado a se entregar à Polícia Federal.

Prisão – Nesta segunda-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou concluída a parte da sentença do petista que já não pode ser alterada pelos embargos infringentes. Isso significa que João Paulo deve começar a cumprir imediatamente a pena de seis anos e quatro meses de prisão, referente aos crimes de peculato e corrupção passiva. Ele será enviado inicialmente para o regime semiaberto.

Se o STF negar os embargos do mensaleiro contra a condenação por lavagem de dinheiro, a pena chegará a nove anos e quatro meses de prisão. Desta forma, o condenado migraria para o regime fechado.

Publicidade

A prisão de João Paulo depende da emissão do mandado de prisão pelo STF à Polícia Federal. O presidente do Supremo e relator do processo, Joaquim Barbosa, entrou de férias sem assinar a ordem de prisão. Mas ele pode fazê-lo a qualquer momento por meio eletrônico.

Publicidade