Clique e assine a partir de 8,90/mês

A cada 9 horas, Sedex sofre um roubo na Grande SP

Cartões bancários e eletrônicos são principais alvos dos bandidos, e só no ano passado foram 911 casos; parte das entregas passou a ter escolta

Por Da Redação - 8 abr 2013, 09h26

A Grande São Paulo registrou ao menos um roubo de encomendas que seriam entregues pelos carteiros a cada nove horas em 2012, o que obrigou os Correios a colocar escolta em parte das entregas realizadas pelo Sedex. Foram instaurados 911 inquéritos pela Polícia Federal (PF) só no ano passado, relacionados a esse tipo de crime.

Segundo os carteiros, a escolta é feita por dois homens em um carro que acompanha a van do Sedex. Porém, só a menor parte das linhas conta com esse tipo de proteção, o que deixa grande parte dos funcionários vulnerável aos roubos. “Já fui assaltado duas vezes neste ano e, por isso, acabei afastado das ruas”, disse o carteiro Celso dos Santos, de 43 anos, há vinte nos Correios – dez deles como motorista do Sedex.

Cartões e eletrônicos – Guilherme de Castro Almeida, titular da Delegacia de Repressão a Crimes contra o Patrimônio da PF, responsável por apurar os casos, afirma que uma parte dos assaltos é praticada por ladrões que buscam cartões bancários e que já contam com alguém capaz de desbloqueá-los. Ele afirma que as Zonas Sul e Leste da capital paulista são os locais com mais roubos e atribui esse tipo de crime ao crescimento da classe C, que agora tem condição de comprar produtos eletroeletrônicos pela internet, alvo da cobiça dos bandidos. No ano passado, 71 pessoas foram presas em flagrante pela participação em 44 assaltos.

Almeida conta que há uma unidade de repressão a crimes postais em um dos centros de distribuição dos Correios e que, até a metade do ano, haverá um software capaz de cruzar informações para detectar as características dos bandidos em determinada área, auxiliando nas investigações. Os Correios afirmam que desenvolvem ações em conjunto com órgãos de segurança pública e com o Programa de Combate ao Roubo de Carga do Estado de São Paulo (Procarga). A empresa diz também que investe em rastreamento.

Prejuízo – Além de não receberem as encomendas roubadas, clientes que compram pela internet têm encontrado dificuldade para conseguir o reembolso. O administrador de empresas Marcus Vinicius Espudaro, de 35 anos, teve duas minilentes fotográficas para iPhone, compradas de um site chinês, roubadas durante a entrega. Ele acionou os Correios, que o orientaram a procurar o site, dizendo que o objeto pertence ao remetente antes de chegar ao destinatário. “Eu entendo que a responsabilidade é dos Correios, cujo carteiro foi assaltado.”

Os Correios afirmam que a União Postal Universal (UPU) estabelece que qualquer pagamento de indenização só pode ser feito ao remetente da encomenda. Mas o advogado especialista em relações de consumo e professor do Mackenzie Bruno Boris diz que o consumidor que não recebeu a encomenda pode, sim, pleitear a indenização à empresa brasileira.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade