Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A atuação de dois bilionários contra a medida provisória de Haddad

Ex-senador Blairo Maggi acionou o presidente Lula para reclamar da proposta chancelada pelo Ministério da Fazenda

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 16 jun 2024, 11h14

Antes de ser devolvida pelo Congresso Nacional, a medida provisória que limitou o uso de crédito do PIS/Cofins foi alvo de forte reação por parte de dois empresários que têm proximidade com o presidente Lula.

Um deles foi o ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, acionista da Amaggi (ex-grupo Maggi), empresa que é uma das maiores produtoras de soja do mundo. O empresário ligou para o presidente da República para apresentar uma série de reclamações sobre a medida.

A MP, em linhas gerais, limitava o uso dos créditos do PIS/Cofins, dois tributos federais que são utilizados pelas empresas para compensar o pagamento de impostos ou obter a restituição de valores.

Após ser acionado por Maggi, Lula repassou as queixas para o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que prontamente entrou em contato com o empresário. Na conversa, o ministro alegou que exportadores, como o grupo de sua família, não seriam prejudicados, ao contrário da versão corrente. Não convenceu.

Continua após a publicidade

Também pesou a fala de Rubens Ometto, presidente do Conselho de Administração do grupo Cosan, multinacional brasileira que atua em setores como o agronegócio e combustíveis.

Governo desrespeita as leis

No último dia 8, o empresário criticou o governo durante evento do Grupo Esfera e disse que o Palácio do Planalto “desrespeita” as leis. “Do jeito que está, com o governo querendo meter a mão, querendo taxar tudo, não dá”, disse Ometto, que é próximo de Lula e doador do PT na última eleição.

Continua após a publicidade

Durante reunião com representantes da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) na última terça-feira, 11, Haddad não escondeu a irritação com o posicionamento de Ometto.

O ministro da Fazenda gastou alguns minutos criticando o posicionamento do empresário. Disse que a fala havia sido muito dura e que o governo era parceiro dele. E ainda fez uma comparação: ponderou que Blairo Maggi ao menos foi educado e ligou para conversar, enquanto Ometto foi a público para descarregar o verbo.

Ao fim, os dois empresários venceram, e a MP de Haddad, com o aval de Lula, acabou enterrada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.