Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Xavi e Piqué jogarão pela seleção da Catalunha na data Fifa

Aposentada da seleção espanhola, dupla enfrentará a Venezuela no dia 25. Alguns clubes vetaram a convocação de seus atletas

O meia Xavi Hernández e o zagueiro Gerard Piqué, campeões do mundo e da Europa com a seleção espanhola, defenderão outra equipe na data Fifa da próxima semana: a seleção da Catalunha, que, apesar de não ser filiada à Fifa nem à Uefa, existe há mais de cem anos e inclusive já venceu o Brasil. A consagrada dupla está confirmada no time dirigido pelo técnico Gerard López, que também foi jogador do Barcelona e da seleção Espanhola, para o amistoso diante da Venezuela, marcado para o dia 25, em Girona, na Catalunha. Outros jogadores catalães, no entanto, tiveram a convocação vetada por seus respectivos clubes, que não aceitam expor seus atletas ao risco de lesões em jogos de uma equipe “não oficial”.

Ao longo da história, diversos jogadores da seleção espanhola nascidos na Catalunha foram contestados por suas posições políticas. Um dos mais célebres é o hoje técnico Pep Guardiola — “meu país é a Catalunha”, costuma dizer o treinador do Manchester City. Nenhum deles, porém, causou tantos atritos como Piqué. O zagueiro de 32 anos se aposentou da “Fúria” após o Mundial da Rússia em 2018, e conviveu constantemente com críticas vindas da imprensa e da torcida de Madri por expressar claramente o seu orgulho por ter nascido na Catalunha. O defensor sempre se disse favorável à realização do referendo de independência da região, embora nunca tenha se posicionado claramente a favor da separação. 

Quando questionado sobre seu sentimento ao vestir as cores da Espanha, Piqué costumava focar na questão profissional. “Servir a seleção espanhola não é uma competição de patriotismo, quem vai não é mais patriota que os outros. Muitos jogadores se naturalizaram e não eram espanhóis, não sentiam o mesmo que outros. Jogar pela seleção é fazer o melhor possível para ganhar, é assim que eu entendo”, disse em 2017, quando já cogitava deixar a equipe.

Assim como Xavi, Andrés Iniesta, Cesc Fàbregas e outras estrelas mais diplomáticas em relação ao tema, sempre que possível Piqué atendeu aos chamados da seleção catalã, que costuma fazer no máximo um jogo por ano, geralmente perto do Natal. O jogo contra a Venezuela, no entanto, será o primeiro da história da seleção catalã em uma data Fifa — período reservado pela entidade para amistosos internacionais, nos quais os clubes são obrigados a ceder seus atletas. Por isso, coincidirá com compromissos da seleção espanhola.

Por estarem na lista da Espanha, atletas como Jordi Alba e Sergio Busquets desfalcarão a Catalunha. O lateral do Barcelona, inclusive, falou sobre a escolha de Piqué. “Não falei com ele sobre isso, mas ele deve ter suas razões. Ele decidiu deixar a seleção espanhola e é natural que vá querer jogar pela Catalunha”, disse Alba em coletiva nesta quarta-feira, 20. A seleção catalã se reuniu pela primeira vez em 1905 e já enfrentou quatro vezes a seleção brasileira — venceu uma, em 1934, por 2 a 1.

Clubes ‘vetam’ seleção catalã

Na esteira da polêmica sobre a relevância da seleção catalã, cinco clubes anunciaram nesta semana que não liberarão seus atletas chamados por Gerard López para o amistoso contra a Venezuela. São eles Jordi Masip, Sergio González e Rubén Alcaraz (Valladolid), Álex Moreno e Alberto García (Rayo Vallecano), Àlex Gallar e Enric Gallego (Huesca), Deulofeu (Watford) e Gerard Moreno (Villarreal).

O treinador aceitou a decisão dos clubes, que não são obrigados a liberar os atletas, mesmo na data Fifa, pelo fato de a Catalunha não ser uma seleção afiliada por nenhuma federação. “Me adapto a estas notícias, entendo perfeitamente e não tenho nenhum problema em aceitá-las.” Além de Xavi, que aos 39 anos joga no Catar e fará sua despedida da seleção catalã, e Piqué, outros atletas conhecidos, como Bojan Krkic e Bartra, constam na lista de convocados: 

Goleiros: Isaac Becerra (Nástic), Edgar Badía (Elche).
Defensores: Montoya (Brighton), Piqué (Barcelona), Bartra (Betis), Aleix Vidal (Sevilla), Dídac Vilà (Espanyol), Cucurella (Eibar), Muniesa (Girona).
Meio-campistas: Víctor Sánchez (Espanyol), Xavi Hernández (Al-Sadd), Pere Pons (Girona), Me-lendo (Espanyol), Joan Jordán (Eibar), Granell (Girona), Oriol Romeu (Southampton), Aleix García (Girona).
Atacantes: Sergio García (Espanyol), Bojan (Stoke City), Marc Cardona (Eibar).