Clique e assine com até 92% de desconto

Técnico do Arsenal critica contratação de Neymar

Arsène Wenger afirmou que transferência mais cara do futebol só é possível porque "países são donos de clubes"

Por Da redação Atualizado em 4 ago 2017, 09h33 - Publicado em 3 ago 2017, 18h36

O técnico do Arsenal, Arsène Wenger, criticou nesta quinta a contratação do atacante Neymar pelo Paris Saint-Germain. Para o francês, a compra do brasileiro, que custará aos cofres do clube 222 milhões de euros (cerca de 823 milhões de reais) em multa, é “o que acontece quando países são donos de clubes de futebol”.

A transferência de Neymar, a maior da história do futebol, deixaria equipes como o Arsenal impossibilitadas de competir financeiramente. “Uma vez que países controlam clubes de futebol, tudo é possível. Assim, é muito difícil de respeitar o Fair Play financeiro. Não somos os únicos, acredito que 99% dos clubes fazem isso, mas não podemos competir nesse nível”. O técnico fez menção à Oryx Qatar Sports Investments, empresa do Catar que gerencia o PSG.

O recorde do Arsenal em transferências foi quebrado nesta temporada, quando a equipe inglesa contratou o francês Alexandre Lacazette, do Lyon, por 50 milhões de euros (cerca de 185 milhões de reais). A maior transação pertencia ao alemão Mesut Özil, que deixou o Real Madrid por 47 milhões de euros (174 milhões de reais).

  • José Mourinho, treinador do Manchester United, também considerou que o valor da negociação não é alto se analisado o custo-benefício, mas chamou a atenção para as prováveis consequências de uma transferência como a do brasileiro.

    “Quando pagamos 133 milhões de euros (cerca de 466 milhões de reais) pelo Pogba, eu disse que não foi caro. Caros são os jogadores que custam muito dinheiro, sem qualidade à altura. A partir de agora, haverá mais jogadores custando 100 milhões de euros, fazendo com que tenhamos mais jogadores a 60 milhões, 80 milhões”, afirmou, prevendo mercado inflacionado de agora em diante.

    (Com Gazeta Press)

    Continua após a publicidade
    Publicidade