Clique e assine a partir de 9,90/mês

#TBT: Há 32 anos, PLACAR ‘mirou’ em Assis e ‘acertou’ em Ronaldinho Gaúcho

Reportagem 'Nasce uma Estrela' retratava o surgimento de um potencial craque e, sem querer, acabou registrando a primeira aparição pública de um gênio

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 23 Jan 2020, 10h54 - Publicado em 23 Jan 2020, 09h29

Apresentar jovens pretendentes a craque sempre foi uma das especialidades de PLACAR. Algumas apostas foram chutes certeiros (com uma ou outra bola fora pelo caminho). Há exatos 32 anos, houve o curioso caso de um golaço marcado “sem querer”. Para a edição de janeiro de 1988, a reportagem viajou até Porto Alegre para ouvir Roberto de Assis Moreira, uma nova joia do Grêmio que acabaria, de fato, tendo sucesso no futebol. O meia-esquerda, no entanto, fez uma incrível previsão: “Esse é o verdadeiro craque da família”, disse, ao posar para uma histórica foto com o irmão Ronaldo, de 7 anos. Foi a primeira das inúmeras aparições de Ronaldinho Gaúcho nas páginas da revista.

A reportagem “Nasce uma Estrela”, assinada por Álvaro Almeida (clique aqui para ler a edição na íntegra), narra os primeiros anos de carreira de Assis, que encantou a torcida gremista ainda na base, em uma preliminar no Estádio Olímpico diante do Corinthians. O hoje empresário de Ronaldinho chamou a atenção de olheiros do Torino, que viram nele um potencial sucessor do “maestro” Júnior. Assis chegou a viajar a Turim para um período de testes, mas foi convencido pela diretoria tricolor a permanecer no Sul, com direito a casa nova e um salário de estrela do time.

Clique aqui e assine PLACAR em uma oferta especial!

Da Itália, uma das poucas recordações era a camisa grená do Torino com a qual Assis posou para as lentes do fotógrafo Lemyr Martins. Ao seu lado, Ronaldinho, vestindo a amarelinha da seleção brasileira, exibiu ao país pela primeira vez o sorriso que se tornaria símbolo de magia em todo o mundo. Naquela época, seu João, o pai da dupla de craques, ainda era vivo e trabalhava como porteiro do Olímpico – morreria um ano depois, em um acidente em uma piscina. A partir daí, Assis, que mal completara a maioridade, assumiu o papel de figura paterna para o caçula, uma relação detalhada recentemente por Ronaldinho em depoimento ao The Players Tribune.

Continua após a publicidade
Reportagem “Nasce uma estrela” da edição número 920 de PLACAR, do dia 22 de janeiro de 1988 Reprodução/Placar

Sempre apontado como maior ídolo de Ronaldinho, Assis teve uma carreira bastante digna, com passagens por clubes europeus, do Japão e do México, além de Vasco, Fluminense e Corinthians. E voltou às páginas da PLACAR como o controverso agente do irmão, um dos maiores craques de todos os tempos, e figurinha carimbada da revista nas últimas décadas.

Publicidade