Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Suspenso pelo São Paulo, goleiro Jean acerta com o Atlético-GO

'O ser humano precisa de oportunidades', justificou presidente do clube sobre a chegada do atleta acusado de agressão à esposa

Por Da Redação - Atualizado em 13 jan 2020, 21h16 - Publicado em 13 jan 2020, 16h31

O goleiro Jean, que recentemente foi suspenso pelo São Paulo por ter sido detido durante as férias nos Estados Unidos, sob a acusação de ter agredido a mulher, Milena Bemfica, acertou nesta segunda-feira, 13, sua ida para o Atlético Goianiense, que retornou à Série A do Brasileirão, por empréstimo. 

Jean, de 24 anos, chegou a negociar com o Ceará, mas a repercussão negativa junto à torcida fez o clube de Fortaleza desistir do acordo – dias depois, anunciou o veterano Fernando Prass. Nesta segunda, o presidente do Atlético-GO, Adson Batista, disse que o jogador merece uma nova chance.

“A Justiça tem que fazer o papel dela e as pessoas precisam parar de julgar. Eu vi um jogador de alto nível que precisa recuperar a carreira. O Atlético-GO entende que esse atleta vai nos ajudar muito. Se ele cometer um equívoco, não tem condição de ficar. É página virada. O Atlético-GO tem o perfil de recuperar atletas, e o ser humano precisa de oportunidades. Ele cometeu um erro, e nós contratamos um grande profissional e vamos dar respaldo”, afirmou Adson Batista.

Jean foi preso em Orlando, nos Estados Unidos, em 18 de dezembro, acusado de agredir a esposa, Milena Bemfica, que postou vídeos nos quais apareceu com o rosto machucado. Nas filmagens, ela acusou o jogador de tê-la agredido durante as férias. Horas depois, as imagens foram apagadas, mas a polícia chegou ao hotel e deteve o jogador.

Publicidade

O boletim de prisão do jogador relatou que Milena levou, ao todo, oito socos do atleta durante uma discussão no hotel e agiu em legítima defesa ao atacar Jean com uma prancha de cabelo. O jogador acabou liberado, porque Milena não apresentou denúncia formal. “Eu não dei queixa pelo simples fato de que se eu desse ele teria que pagar tudo aqui nos Estados Unidos e eu não quero um futuro desse para minhas filhas”, explicou Milena.

O advogado de Milena contou a VEJA que ela entrará com ações judiciais referentes às agressões sofridas junto à Justiça brasileira. Separada do goleiro, ela pedirá o pedido de guarda das filhas, pensão alimentícia e uma indenização pela agressão. 

Publicidade