Clique e assine a partir de 8,90/mês

Seleção feminina de futebol dos EUA ganha aumento de salários

Após ação na Justiça contra a federação americana, atletas assinaram novo contrato com melhores condições de trabalho e aumento nos ganhos financeiros

Por Da redação - 5 abr 2017, 20h36

A seleção feminina de futebol dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira que assinou um novo contrato de trabalho com a US Soccer, federação da modalidade no país. Como resultado de uma luta que começou no ano passado, as jogadoras conquistaram aumento nos salários e bônus por objetivos alcançados, além de melhores condições de viagens e acomodações. Os valores não foram divulgados.

O novo acordo tem duração até 2021, o que significa que estará vigente durante as disputas da Copa do Mundo de 2019, na França, e da Olimpíada de 2020, em Tóquio. “Estamos orgulhosos do trabalho duro e do compromisso com um diálogo reflexivo através desse processo, e esperamos fortalecer nossa parceria (entre a US Soccer e as atletas) no futuro”, disse a entidade em nota oficial.

“Acredito que ainda há muito progresso a ser feito por nós e pelas mulheres no geral, mas acho que a Associação de Jogadoras da Seleção Feminina dos Estados Unidos (USWNTPA, na sigla em inglês) tem de estar muito orgulhosa desse acordo e se sentir fortalecida para seguir em frente”, afirmou a meio-campista Megan Rapinoe, uma das atletas que encabeçaram o movimento que exigiu da federação melhores condições.

Há um ano, cinco das principais jogadoras da seleção americana (Rapinoe, Carli Lloyd, Rebecca Sauerbrunn, Hope Solo e Alex Morganentraram com uma ação contra a US Soccer exigindo melhores condições de trabalho e salários mais altos. De acordo com os documentos levantados pelas atletas, a equipe feminina dos Estados Unidos gerou US$ 20 milhões a mais em receitas do que a masculina em 2015, mas, ainda assim, as mulheres receberam da entidade uma quantia bem inferior aos homens.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade