Clique e assine a partir de 9,90/mês

São Paulo é multado por gritos homofóbicos da torcida em clássico

Além disso, dirigentes Raí e Lugano foram suspensos por ofensas ao árbitro do jogo contra o Corinthians

Por Da Redação - Atualizado em 9 mar 2020, 20h18 - Publicado em 9 mar 2020, 20h05

O São Paulo foi multado nesta segunda-feira, 9, em 30.000 reais pelo TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) em punição aos gritos homofóbicos proferidos por sua torcida durante o empate em 0 a 0 clássico contra o Corinthians, pelo Campeonato Paulista, no último dia 15, no Morumbi. O clube tricolor irá recorrer da punição para diminuir a multa aplicada.

Na ocasião, o árbitro paralisou a partida e alertou os capitães sobre o fato após repetidos gritos de “bicha” nos tiros de meta batidos pelo goleiro Cássio. Os telões do Morumbi também alertaram os torcedores sobre o risco de punição e informaram que homofobia é crime.

Raí e Lugano suspensos

Além da punição ao clube, o São Paulo sofreu duas punições individuais: o diretor-executivo de futebol, Raí, e o superintendente de relações institucionais, Diego Lugano, foram suspensos por 15 dias devido às críticas e acusações feitas ao árbitro da partida contra o Corinthians, Douglas Marques das Flores.

Continua após a publicidade

O time do Morumbi reclamou especialmente de um suposto pênalti não marcado de Camacho em Igor Gomes. Na súmula, o árbitro informou ter sido xingado de “safado, filho da p…”, entre outras ofensas, por Lugano, que o esperou no túnel para os vestiários. Já Raí afirmou em entrevista que o São Paulo havia sido “roubado”.

Os dois estão proibidos de entrar no vestiário e ter contato com a comissão técnica e jogadores no estádio. A VEJA, o clube informou que entrará com efeito suspensivo. A intenção é poder contar com os dirigentes ao menos no jogo da próxima quarta-feira 9, diante da LDU, pela Copa Libertadores.

Publicidade