Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Sampaoli chega ao Atlético-MG: ‘Meu time será sempre protagonista’

Treinador argentino citou desgaste com o Santos para justificar por que não aceitou a primeira oferta do clube mineiro, ainda em janeiro

Por Da Redação Atualizado em 9 mar 2020, 17h16 - Publicado em 9 mar 2020, 16h41

Jorge Sampaoli foi apresentado nesta segunda-feira, 9, como novo treinador do Atlético-MG e prometeu manter sua filosofia ofensiva. Sem clube desde o fim do ano passado, quando deixou o vice-campeão brasileiro Santos, o treinador argentino explicou por que o acerto com o Atlético não se deu nas primeiras tratativas, em janeiro.

“Terminei o Brasileirão com o Santos, tive oportunidade de três clubes brasileiros e outros times do mundo. A exigência do ano foi muito dura para mim. Foi desgastante. A decisão passou por mim, analisei que aquele não era o momento ideal. O Atlético voltou a se interessar e me achei preparado para aceitar o desafio“, explicou. Na ocasião, o Atlético buscou outra solução internacional: o venezuelano Rafael Dudamel, que durou apenas dez meses no cargo.

Como treinador, percebi que aqui no Brasil, ano passado, muitos colegas passaram e ficaram sem projeto muito rápido. Lamentavelmente, a exigência que há no ambiente gera sentimentos na torcida. A obrigatoriedade gera muita instabilidade no futebol e, mais do que tudo, para os treinadores”, comentou Sampaoli, sobre seu antecessor. O argentino assinou contrato com o Atlético até dezembro de 2021 e deve fazer sua estreia no próximo sábado, 14 diante do Villa Nova.

Perfil ofensivo

“O (Atlético) Mineiro, por minha característica, terá um jogo de ataque, tentará ser protagonista, contra qualquer time, em qualquer campo. Sem nenhum tipo de temor ou resguardo. É isso que me identifica e foi isso que me trouxe aqui. O importante não é ganhar por ganhar, mas a maneira como ganhar”, afirmou o treinador de 59 anos, com passagens pelas seleções do Chile e da Argentina.

Sampaoli elogiou o Flamengo, mas citou outros candidatos ao título do Brasileirão. “É uma equipe muito forte, que tem um treinador muito capaz. Conseguiu reinar não só no Brasil, mas na América. É um exemplo que temos que imitar um pouco, mas não só o Flamengo. Grêmio, Internacional, Santos, há várias equipes com as ideias assimiladas. Vamos começar do zero, temos que armar tudo rápido. Não teremos Copa Libertadores e Copa do Brasil e isso nos dará possibilidade de trabalhar mais”. 

Continua após a publicidade
Publicidade