Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Romário e Del Nero tiram Galvão do sério no ‘Bem, Amigos!’

Ex-jogador era o convidado especial do programa, mas desmarcou de última hora. Relação da CBF com a Fifa, porém, foi o que mais irritou Galvão

Por Da redação - Atualizado em 12 set 2017, 15h00 - Publicado em 12 set 2017, 11h45

Galvão Bueno não teve uma noite das mais felizes nesta segunda-feira durante a apresentação do Bem, Amigos!, seu programa no SporTV. O narrador mais famoso do Brasil estava visivelmente incomodado, especialmente por causa de duas pessoas: o senador Romário e o presidente da CBFMarco Polo Del Nero

Ao longo do dia, o ex-atacante e atual senador foi anunciado com pompas pelo canal como convidado especial do programa, mas cancelou sua participação em cima da hora, alegando “problemas pessoais.” Em tom de brincadeira, Galvão lamentou a ausência e disse ter feito “a lição de casa” ao ler o livro de Romário.

“Já peço desculpas, porque coloquei nas redes sociais, todo mundo colocou, chamamos, fiz a minha lição de casa, fui ler o livro do Baixinho senador…” Galvão contou que foi a segunda vez consecutiva que o craque do tetracampeonato mundial desmarcou sua ida ao Bem, Amigos!’, enquanto o comentarista Arnaldo Cézar Coelho brincava que o narrador “levou um drible” de Romário.

Na última segunda-feira ele tinha que realmente estar em Brasília, tinha plenário do Congresso, ele é senador com mais de 4 milhões de votos. (…)  Hoje, apenas recebemos um recado da assessoria dizendo que por problemas pessoais ele não podia vir, pedindo para vir no dia 25.”

Publicidade

Galvão ressaltou que Romário é “amigo” do programa e desejou que o “problema pessoal não seja nada grave, nada sério com a família” e ironizou sobre a data proposta por Romário. “Você propôs dia 25. Agora, vamos dar um pouco de enjoados: ‘Não sei se vai dar dia 25, precisa ver com a direção’”, brincou Galvão.

Del Nero e a ‘vergonha’ da taça

Em tom bem mais sério, Galvão Bueno fez duras críticas ao fato de o Brasil não receber o “Tour da Taça” da Copa do Mundo pela primeira vez desde que o evento foi criado, em 2006. Na América do Sul, apenas Argentina, Chile e Colômbia receberão o troféu mais cobiçado do futebol. Segundo Galvão, isso seria uma retaliação da Fifa a Marco Polo Del Nero, o presidente da CBF que nunca mais viajou ao exterior desde a revelação do escândalo que prendeu diversos dirigentes, como seu antecessor José Maria Marin.

“E depois eles querem dizer que estão bem com a Fifa. (…) O Brasil é o único país a participar de todas as Copas do Mundo. Para quem não sabe, anote com orgulho: é o único país a conquistar cinco títulos mundiais, primeiro no ranking da Fifa, primeiro a se classificar para a Copa da Rússia… é a terra do Pelé! É uma vergonha para nós a taça não passar por aqui”, desabafou. “Mas também o presidente não pode ir até a Fifa…”

O comentarista Paulo César Vasconcellos ressaltou que “em dezembro teremos o sorteio de grupos da Copa do Mundo na Rússia e até agora tudo leva a crer que o Brasil será o único país a não ter o seu principal dirigente presente”. A Fifa entrou em contato com o programa e alegou que o Brasil ficou de fora do Tour da Taça pois, há três anos, o troféu passou por quase todos os Estados do país, antes da Copa no Brasil.

O ex-jogador Roberto Rivellino com a taça da Copa no Shopping Itaquera (zona leste de SP), na manhã desta quinta-feira (29)
Roberto Rivellino durante o último tour da taça da Copa do Mundo Miguel Schincariol/AFP/VEJA
Publicidade