Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Renato veste camisa de Maradona em vitória do Grêmio: ‘Perdi um amigo’

Outros clubes brasileiros também prestaram homenagens à lenda argentina, morta aos 60 anos

Por Da Redação Atualizado em 27 nov 2020, 09h52 - Publicado em 27 nov 2020, 09h35

O técnico Renato Portaluppi prestou uma das diversas simbólicas homenagens a Diego Armando Maradona na última quinta-feira, 27. Durante a vitória do Grêmio por 2 a 0 sobre o Guaraní, no Paraguai, pelas oitavas de final da Copa Libertadores, o treinador brasileiro vestiu uma camisa da Argentina com o número 10 e o nome de Maradona.

Após o triunfo no estádio Defensores del Chaco, em Assunção, com gols de Jean Pyerre e Pepê, Renato Gaúcho lamentou a morte do amigo aos 60 anos. “Gostaria de homenagear meu grande amigo Maradona. Fiz a homenagem usando a camisa dele, um grande amigo que perdi. O mundo perdeu um gênio, uma lenda, estou muito triste. Dedico a vitória ao Dieguito. Todas as vezes em que conversei com ele, foi um grande amigo, tivemos momentos maravilhosos juntos. Que Deus conforte os familiares.”

Renato, que atuou na Roma no mesmo período em que Maradona brilhava pelo Napoli e o encontrou diversas vezes durante passagens do argentino pelo Brasil, recebeu muitos agradecimentos de argentinos pela atitude na postagem feita pela Conmebol sobre sua homenagem.

Na quarta-feira 25, dia exato da morte da lenda do futebol brasileiro, outros clubes brasileiros já haviam homenageado Maradona. O Inter, por exemplo, adotou uma medida inédita: coloriu o Beira-Rio, sempre vermelho, nas cores azul e branco, da Argentina – e também do rival Grêmio.

  • A Neo Química Arena, do Corinthians, também foi decorada para Maradona. Já o Atlético Mineiro entrou em campo com uma imagem do argentino no calção e com seu nome na camisa de Zaracho, jogador argentino.

    Continua após a publicidade

    Vandalismo – O Santos também homenageou Maradona pintando o rosto do ídolo argentino em seu centro de treinamentos, ao lado de Pelé e Pepe. O espaço é destinado para registrar os maiores ídolos do clube. A arte, no entanto, foi vandalizada durante a madrugada com tinta e a sigla SFC ao lado, alusiva a Santos Futebol Clube. A homenagem era temporária, permaneceria apenas por 30 dias no local.

    Vale lembrar que Maradona quase vestiu a camisa do clube em duas oportunidades, em 1995 e 1996, com intermediação da Pelé Sports & Marketing, empresa gerida pelo Rei do Futebol. Na ocasião, em entrevista a TV Tribuna, emissora local, ele chegou a dizer que o acordo estava 80% certo, visitou a Vila Belmiro e desfilou em uma banda da cidade.

    Continua após a publicidade
    Publicidade