Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

Quatro brasileiros são escolhidos como ídolos históricos do La Coruña

Brasileiros participaram das maiores conquistas da história do clube

Por Redação PLACAR Atualizado em 2 mar 2017, 16h51 - Publicado em 17 nov 2016, 07h52

Em comemoração de seus 110 anos, o Deportivo La Coruña, da Espanha, fez uma enquete para a escolha de seus dez craques históricos. E na lista, quatro brasileiros entraram.

Jogadores que atuaram no período mais vitorioso da equipe, nos anos 1990 e começo dos anos 2000, foram os brasileiros selecionados.

Os jogadores terão seu nome gravados em uma bola banhada a prata, comemorativa aos 110 anos do clube, que serão vendidas para os torcedores por 177 euros.

Veja quais foram eles:

Zagueiro, Donato jogou de 1993 a 2003 no clube, pelo qual encerrou sua carreira. Jogou tantos anos na Espanha, que foi naturalizado espanhol em 1994, para defender a seleção até 1996. Foi campeão espanhol no clube, além de vencer duas Copas do Rei e três Supercopas da Espanha.

Continua após a publicidade

Um dos craques do Brasil no tetracampeonato mundial de 1994, Bebeto jogou no clube de 1992 a 1996, período da Copa. Conquistou a Copa do Rei e Supercopa da Espanha pelo clube.

Volante tetracampeão do mundo pelo Brasil, Mauro Silva fez a maior parte de sua carreira no clube, onde encerrou a carreira. Jogou de 1992 a 2005! Na equipe, conquistou um espanhol, duas Copas do Rei e três Supercopas da Espanha.

Djalminha foi o último deles a chegar no La Coruña. Mas nem por isso foi menos importante. Defendeu a equipe de 1997 a 2004, logo após deixar o super time do Palmeiras. Nesse período, esteve apenas na temporada 2002/2003 fora, quando foi defender o Áustria Viena. Só não encerrou sua carreira na equipe, porque foi jogar no América do México ainda em 2004. Lá, quase foi convocado para a Copa de 2002, onde seria pentacampeão. Acabou cortado por ter se envolvido em brigas com seu técnico no clube, Javier Irureta, agredindo-o com uma cabeçada. Na equipe, foi campeão espanhol, da Copa do Rei e duas vezes da Supercopa da Espanha.

Divulgação

Continua após a publicidade
Publicidade