Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Por trás das câmeras: Como ficaram os canais de esportes em 2015?

Leilões por competições, assédio financeiro para a troca de comentaristas e a invasão dos debates ao vivo. Os canais de esporte por assinatura no Brasil mudaram e acirraram a disputa pela audiência

Por Felipe Zylberstajn Atualizado em 20 fev 2017, 10h53 - Publicado em 3 out 2015, 10h00

A sua TV de esportes não é mais a mesma. O público aumentou (de 5,4 milhões de assinantes em 2007 para 20 milhões hoje) e a concorrência também. As mudanças inluenciaram a condução das grades de programação. No passado, o SporTV sempre liderou a audiência, e a ESPN não era vista como um concorrente direto. “Quando chegou um terceiro player [Fox Sports], deu uma bagunçada”, diz João Palomino, vice-presidente de jornalismo da ESPN. “A Fox Sports instituiu uma cobertura que trata todas as partidas como inais. Acha que não movimenta os concorrentes?”, afirma o vice-presidente dos canais Fox, Eduardo Zebini.

A solução foi mexer nas grades. Programas com um jeitão mais cultural, reportagens longas, humor e variedades deram lugar a uma programação calcada em debates e muitas entradas e entrevistas ao vivo. “Se o esporte preferido do brasileiro é o futebol, o segundo é falar sobre futebol”, diz João Palomino. A ESPN agora conta com três edições diárias do programa de debates Bate-Bola e duas edições semanais do Linha de Passe. Em março, o Arena SporTV e o SporTV News 2ª Edição foram substituídos pelo novo Seleção SporTV, em que Marcelo Barreto comanda um bate-papo com convidados. A mudança teria aumentado a audiência em 14%.

Mas são as transmissões de eventos esportivos que puxam os números finais das emissoras. E a compra do campeonato de clubes mais prestigiado do mundo pelo Esporte Interativo abalou o mercado. A americana Turner, sócia do EI, criou um canal específico para a Liga, o EI Max. Fala-se que foram pagos 130 milhões de dólares.

Existe um consenso de que, após a primeira temporada com exclusividade dos jogos, o canal deve sublicenciar os direitos para os concorrentes — uma prática cada vez mais comum. Enquanto isso, o mercado deve observar com atenção como a ESPN vai reagir. “Não dá para negar a importância que a Champions tem para a gente, mas é de nossa responsabilidade reverter essa situação”, diz Palomino.

O grande trunfo da Fox Sports continua sendo a Libertadores, que este ano trouxe resultados recordes de audiência — além de ajudar a levar o comentarista PVC, símbolo da ESPN, para o canal. De acordo com a Fox Sports, a transmissão do primeiro jogo entre Corinthians e Guaraní-PAR teve média nacional de quase 2,5 pontos, cinco vezes maior que a do SporTV no mesmo período. Comenta-se que PVC teria ligado para amigos, espantado com a audiência. Ele nunca tinha falado para tantos espectadores.

FOX SPORTS

157% – Crescimento de audiência de janeiro a abril de 2015

Continua após a publicidade

A transmissão exclusiva entre o Guaraní-PAR e o Corinthians garantiu a liderança entre todos os canais de TV paga, acima inclusive de alguns canais da TV aberta

2,49 pontos de audiência

SPORTV

143% – É a vantagemgeral do SporTV em relação à Fox Sports. São 18 posições de diferença no ranking da TV fechada

A maior audiência do ano no segmento é do SporTV, com a eliminação do São Paulo pelo Santos no Campeonato Paulista: 4,8 milhões de espectadores

3,83 pontos de audiência

ESPN

114% – Foi o aumento de audiência registrado em 2014 no público masculino em relação ao mesmo período do ano anterior

Continua após a publicidade
Publicidade