Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Petistas comemoram chegada de Luxemburgo ao Palmeiras

Gleisi Hoffmann e Maria do Rosário relembraram entrevista em que o técnico defende a esquerda e critica Sergio Moro por "rasgar Constituição"

Por Da Redação - Atualizado em 16 dez 2019, 11h11 - Publicado em 16 dez 2019, 11h04

A contratação Vanderlei Luxemburgo dividiu torcedores do Palmeiras, mas foi celebrada por duas lideranças do Partido dos Trabalhadores, ao qual o técnico é filiado. A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, compartilhou neste domingo 15 um vídeo no qual Luxemburgo explica sua ideologia de esquerda e critica o atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

“Castigo para quem imagina que o Palmeiras tem lado que não seja a alegria de sua torcida! E não sou palmeirense! Viva Rosa Luxemburgo, viva a Esquerda e a luta do povo, viva Lula!”, escreveu Gleisi. No vídeo, Luxemburgo disse ser “de esquerda, porque a democracia tem de prevalecer”, e que “Sergio Moro vem sendo visto como o grande mocinho do Brasil”, mas “jogou a Constituição no lixo, mandou prender e matar e passou por cima de todo mundo”.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) compartilhou a mensagem de Gleisi e escreveu: “O filho de Dona Rosa Luxemburgo da Silva não é vira-casaca! É campeão! Moro não deveria ter rasgado a Constituição”.

 

Publicidade

Luxemburgo, de 67 anos, é filiado ao PT e chegou a cogitar em 2017 sua candidatura ao Senado por Tocantins, estado onde jamais residiu, mas foi barrado pela legislação eleitoral. Como ele próprio explica no vídeo postado por Gleisi, seu sobrenome, foi, na verdade, uma homenagem de seu avô, um ferroviário sindicalista, que batizou sua filha, mãe do técnico, de Rosa Luxemburgo – nome de uma revolucionária marxista nascida na Polônia.

Luxemburgo também é amigo íntimo de Lula e defensor de sua liberdade. No último ano, o Palmeiras se mostrou próximo ao presidente Jair Bolsonaro, que se diz torcedor do clube e chegou a levantar a taça e participar ativamente da festa do título brasileiro de 2018.

. Nelson Almeida/AFP
Publicidade