Clique e assine a partir de 9,90/mês

Palmeiras reclama de arbitragem após derrota em Itaquera

Técnico Valentim e presidente Galiotte protestaram especialmente de gol de Romero e jogada com Gabriel; volante do Corinthians se defendeu

Por Lucas Mello, Alexandre Senechal, Luiz Felipe Castro - Atualizado em 6 Nov 2017, 15h04 - Publicado em 5 Nov 2017, 20h41

O Palmeiras deixou o Itaquerão revoltado com a arbitragem após a derrota por 3 a 2 para o Corinthians, no clássico disputa em Itaquera, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo. O time visitante reclama especialmente de três lances: um gol impedido de Romero, um pênalti duvidoso marcado em Jô e a ausência do segundo cartão amarelo para Gabriel, que voltou ao gramado sem autorização da arbitragem.

A principal reclamação do técnico Alberto Valentim foi o impedimento não marcado em Romero, no primeiro gol corintiano. “Tomamos um gol muito rápido em um pênalti que parece que aconteceu, mas o primeiro gol foi com erro da arbitragem. Foi muito impedimento. Mexeu no placar quando estava 0 a 0 e por isso não acho que o resultado foi justo. Depois disso, tivemos que correr atrás”, reclamou o treinador.

“Depois de cada jogo, a gente corrige erros. Quando existe um gol regular, é porque houve uma falha ou mérito do adversário”, completou, sem esquecer a irregularidade no primeiro gol.

Valentim também reclamou muito da entrada de Gabriel em campo, sem ser autorizado, que terminou sem advertência para o jogador. “Nunca vi um jogador estar fora de campo e entrar sem autorização”. Perguntei ao árbitro como pode um jogador retornar sem ser autorizado ou advertido. Ele me disse que o Gabriel se confundiu com o gesto do árbitro. Mas não existe o jogador se confundir, existe uma regra que tem que ser cumprida”, disse o treinador.

Continua após a publicidade

Gabriel se defendeu na zona mista, dizendo que houve uma falha de comunicação entre os árbitros. “O Daronco pediu para bater o tiro de meta. O bandeira e eu achamos que ele tinha autorizado minha entrada. Ele foi firme ao não voltar atrás e está de parabéns”, concluiu o volante corintiano.

O presidente palmeirense, Maurício Galiotte discordou do treinador quanto ao resultado do jogo, mas concordou com as falhas da arbitragem. “Não foi por isso que o Palmeiras perdeu. O Corinthians jogou melhor, fez um bom primeiro tempo. Nossa reclamação é porque fizemos um trabalho muito sério, comparável a de um time europeu, e um erro de cumprimento de regra realmente compromete o clássico”, disse.

“Somos cobrados por planejamento, contratação, resultados e estamos expostos ao erro de um árbitro que muda a partida. Precisamos de árbitros profissionais, como nós somos dirigentes profissionais”, completou. Já na zona mista, Moisés foi taxativo na sua reclamação: “Sabíamos que na dúvida o árbitro apitaria a favor do Corinthians”. Jô, se defendeu e disse que Edu Dracena admitiu ter feito pênalti. “Ele fez a carga, tanto que nem reclamou.”

Publicidade