Clique e assine a partir de 9,90/mês

Palmeiras contrata multinacional para investigar final do Paulista

Kroll, que em 1992 investigou denúncias contra o presidente Fernando Collor, tentará provar que houve interferência externa no jogo contra o Corinthians

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 19 abr 2018, 21h08 - Publicado em 19 abr 2018, 09h13

O Palmeiras contratou uma empresa especializada em investigação para ajudar na apuração sobre uma possível interferência externa sobre a arbitragem durante a final do Campeonato Paulista vencido pelo Corinthians, no último dia 8, no Allianz Parque, em São Paulo. A companhia americana Kroll foi procurada pela diretoria para levantar provas que embasem a reclamação do clube.

A Kroll tem como outras áreas de atuação o estudo de risco empresariais e de serviços de inteligência. A empresa americana teve atuação em um caso importante no Brasil em 1992, quando foi contratada pelo Congresso Nacional para investigar denúncias contra o então presidente da República, Fernando Collor. A empresa tem 35 escritórios e atuação em mais de 20 países.

O clube tem até esta quinta-feira ao meio-dia para anexar mais provas. Na próxima segunda, o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) vai apresentar relatório com a conclusão se o caso será encerrado ou se terá denúncia para prosseguir com a investigação.

Na última terça-feira, sete testemunhas prestaram depoimentos: o quinteto de arbitragem, o delegado do jogo, Agnaldo Vieira, e o diretor de arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF), Dionísio Roberto Domingos, que é o grande alvo dos protestos do clube. O Palmeiras o acusa de ter entrado em campo para alterar a marcação do árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, que havia assinalado pênalti de Ralf em Dudu.

Publicidade