Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

No ano das zebras, saiba quem pode surpreender na Euro

Holanda, Croácia, Ucrânia, Rússia, Suíça e Dinamarca correm por fora na disputa da competição que inicia nesta sexta-feira, 11

Por Da Redação Atualizado em 10 jun 2021, 19h42 - Publicado em 10 jun 2021, 19h06

O amante de boas surpresas no futebol não esquece de 2004. Definitivamente, um ano às avessas. Em maio, a Europa conhecia um surpreendente Porto, comandado por José Mourinho, campeão da Liga dos Campeões. No Brasil, o Santo André de Péricles Chamusca derrubava o gigante Flamengo. Exemplo exitoso também seguido pelo Once Caldas, na Libertadores. E na Eurocopa? Surgiu a Grécia.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

Neste ano, o Lille rompeu com a hegemonia do poderoso – e milionário – Paris Saint-Germain de Neymar, Mbappé e cia. Na Itália, a Inter de Milão pôs fim a um jejum de uma década, mas, principalmente, ao domínio de conquistas da Juventus. O Sporting deixou Porto e Benfica para trás, reconquistando o Campeonato Português após quase 20 anos. E, na Liga Europa, o Villarreal, do goleador Gerard Moreno, superou o Manchester United.

Nos estaduais e na Copa do Brasil, mais surpresas, como as recentes vitórias de CRB e Juazeiro contra Palmeiras e Cruzeiro, respectivamente. Agora, a bola vai rolar para a Euro, com a abertura marcada para esta sexta-feira, 11, com Itália x Turquia, em Roma. Além da Grécia, o torneio já registrou outras campeãs surpreendentes, como a Dinamarca em 1992 e até mesmo Portugal, em 2016, que não figurava entre os principais favoritos.

Com base no guia PLACAR da Euro, que já está nas bancas de todo o país, confira seis candidatos a “zebras”:

Dinamarca

Passa pelo goleiro Kasper Schmeichel – filho do lendário Peter – repetir novamente o caminho do sucesso, entre 1986 e 1995, quando viveu a própria década de ouro, coroada com o título da Euro de 1992 e o inesquecível apelido de Dinamáquina. A equipe jogará as suas três primeiras partidas no estádio Parken, em Copenhague, em grupo “possível” com Bélgica, a favorita, Finlândia e Rússia. O time ainda conta com Christian Eriksen e Braithwait.

Dinamarca está no Grupo B ao lado de Bélgica, Finlândia e Rússia -
Dinamarca está no Grupo B ao lado de Bélgica, Finlândia e Rússia – Divulgação/Placar

Rússia

O técnico Stanislav Cherchesov sofria com olhares de desconfiança até a Copa do Mundo de 2018, sediada pelo país. O desempenho surpreendente – com direito a eliminação da Espanha, uma das favoritas, nas oitavas – credenciou a Rússia a sonhar alto. A equipe só caiu para a Croácia, e nos pênaltis, finalista daquele ano. A maior esperança recai sobre Aleksandr Golovin, meia do Mônaco.

Rússia está no Grupo B ao lado de Bélgica, Finlândia e Dinamarca -
Rússia está no Grupo B ao lado de Bélgica, Finlândia e Dinamarca – Divulgação/Placar

Holanda

Se não conta com Virgil van Dijk, ainda em fase final de recuperação de lesão, e esteve ausente na Copa de 2018, a Holanda busca a própria redenção com nomes como Memphis Depay, De Ligt, De Jong, que puxam a fila de uma renovação comandada pelo experiente Frank De Boer. Apesar de uma derrota recente para a Turquia, em março, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo, o saldo é positivo e permite sonhar nesta Euro.

Continua após a publicidade
Holanda está no Grupo C ao lado de Ucrânia, Macedônia do Norte e Áustria -
Holanda está no Grupo C ao lado de Ucrânia, Macedônia do Norte e Áustria – Divulgação/Placar

Croácia

É palpável o sonho da Croácia de repetir o bom desempenho da Copa de 2018. Nomes consagrados, como o meia Luka Modric, envelheceram, mas ainda seguem atuando em alto nível – um combustível a mais para uma possível despedida honrosa da seleção. Desta vez, não haverá Rakitc, um dos pilares da equipe, mas que anunciou a aposentadoria da seleção. A missão também passa por Kovacic e Perisic.

Croácia está no Grupo D ao lado de Inglaterra, Escócia e República Checa -
Croácia está no Grupo D ao lado de Inglaterra, Escócia e República Checa – Divulgação/Placar

Ucrânia

Basta olhar para o banco de reserva para arrumar inspiração de sobra para sonhar: o técnico Andriy Shevchenko, maior ídolo do futebol no país do leste europeu. Mas nem só de passado vivem os ucranianos. O time aposta em nomes como Zinchenko, titular do Manchester City, e Malinovskyi, do Atalanta, além do brasileiro Marlos, referência no Shakhtar Donetsk.

Ucrânia está no Grupo C ao lado de Holanda, Macedônia do Norte e Áustria -
Ucrânia está no Grupo C ao lado de Holanda, Macedônia do Norte e Áustria – Divulgação/Placar

Suíça

A vitória da Suíça em um amistoso contra Estados Unidos, time emergente, no último dia 30 de maio, deu sinais de que sonhar é possível, sim, para a seleção do técnico Vladimir Petkovic. O time ainda aposta em nomes como Shaqiri, Xhaka e Ricardo Rodríguez e pode aproveitar uma chave equilibrada formada por Itália, candidata ao título, além de País de Gales e Turquia.

Suíça está no Grupo A ao lado de Itália, País de Gales e Turquia -
Suíça está no Grupo A ao lado de Itália, País de Gales e Turquia – Divulgação/Placar

Continua após a publicidade
Publicidade