Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Neymar reclama de fake news e vê 2018 como ano positivo

Na véspera de amistoso contra o Uruguai, capitão da seleção brasileira disse que lesão e frustrações serviram de aprendizado

Neymar teve um ano de 2018 agitado, no mínimo O atacante sofreu uma grave lesão no pé, viu o Paris Saint-Germain reinar na França, mas decepcionar na Liga dos Campeões e ainda viveu uma grande frustração na Copa do Mundo da Rússia, além de ficar longe das premiações individuais de melhor de mundo. Apesar dos contratempos, o capitão da seleção brasileira considera que o ano foi positivo.

“Foi um ano bem movimentado. Com coisas ruins, boas e aprendizados. Me tornei um pouco mais experiente que o normal, mas agradeço a Deus por tudo o que aconteceu comigo. Claro que ficamos chateados com a lesão e a derrota na Copa, mas é um aprendizado muito grande”, afirmou, em nesta quinta-feira, 15, em Londres, na Inglaterra, na véspera do amistoso contra o Uruguai.

“A lesão foi horrível, mas temos de seguir e trabalhar para buscar novos objetivos. Foi um aprendizado muito grande, estar virando referência como capitão, acho que foi um ano bom para mim. Espero que 2019 seja um ano de conquistas, alegrias e que eu possa estar cada vez melhor”, completou.

Questionado sobre as recentes publicações do site Football Leaks envolvendo o seu nome e do Paris Saint-Germain, além de rumores sobre sua vida pessoal, Neymar mostrou sua chateação e destacou que essas notícias tiram sua vontade de participar de entrevistas coletivas.

“Às vezes eu dou risada porque é cada coisa que andam publicando, falando. Achando que sabe mais do que o normal. Ao mesmo tempo fico muito triste e chateado por inventarem histórias, coisas que não são reais. Fico triste por uma parte da imprensa dar valor a isso. Acho uma falta de respeito quando não é uma notícia verídica e não se perguntam. Não sabem a verdade e saem postando. É ruim, se perde a credibilidade, a sua verdade”, declarou.

Recentemente, o site famoso por divulgar informações e contratos confidenciais, nos moldes do WikiLeaks, divulgou que Neymar recebe anualmente 375.000 euros (cerca de 1,59 milhão de reais) para saudar a torcida do PSG antes e depois dos jogos e outros 2,5 milhões de euros (10,65 milhões de reais) para não criticar o treinador do time, Thomas Tuchel. Clube e jogador negam. 

“Peço cuidado não só comigo, mas com todos. Fiquei chateado e por isso que tive que me posicionar, porque vão falando e acaba virando verdade. Tenho que deixar meu ponto de vista pedindo que tomem cuidado com isso. A gente perde a vontade de estar aqui, comunicar com vocês. A gente quer ter comunicação sadia, mas que seja verdadeira. Se for verdade, vou chegar aqui e pedir desculpas. E se não for, vou pedir cuidado com fake News”, completou.

Tite faz mistério com escalação, mas confirma Walace

Ao contrário do que costuma fazer, o técnico Tite evitou adiantar a escalação da seleção brasileira que enfrentará o Uruguai nesta sexta-feira, 15, às 18 horas (de Brasília), no estádio do Arsenal, em Londres. O treinador, no entanto, confirmou que Walace, do Hannover, da Alemanha, será titular no meio-campo na vaga de Casemiro, cortado por lesão.

“Casemiro não vai, então o Walace vai jogar, pois é um jogador da função e foi convocado para isso”, confirmou Tite, em entrevista coletiva nesta quinta-feira. Ao lado do auxiliar Cléber Xavier, o técnico justificou a não divulgação da escalação com antecedência pela possibilidade de haver várias alterações no time e para guardar as possíveis surpresas diante dos uruguaios.

“Não vou enrolar. É o momento em que há uma série de modificações, e você acaba oscilando dentro do jogo, porque se mexe muito. Diferente de uma equipe que vinha sendo repetida. Se joga Arthur, Paulinho ou Renato (Augusto), são características diferentes. Não vou facilitar e quero potencializar o que pode ser surpresa para outra equipe”.

Tite concede coletiva de imprensa em St.Albans, na Inglaterra, às vésperas de amistoso contra o Uruguai (Peter Cziborra/Action Images/Reuters)

(com Gazeta Press e Estadão Conteúdo)