Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mundial de Clubes começa nesta quarta-feira; veja os participantes

Al Ain e Team Wellington abrem torneio a partir das 13h30 (de Brasília); Real Madrid e River Plate chegam aos Emirados Árabes Unidos como favoritos

O Mundial de Clubes será aberto nesta quarta-feira, 11, nos Emirados Árabes Unidos, com a partida entre o anfitrião Al Ain e o Team Wellington, da Nova Zelândia, pelas oitavas de final, a partir das 13h30 (de Brasília), no Estádio Hazza Bin Zayed. Atrações do torneio, o Real Madrid, campeão da Liga dos Campeões, e o River Plate, recém-coroado na Libertadores, estreiam apenas na semifinal. Outras três equipes brigam pelo título, que será decidido no dia 22.

Conheça, abaixo, os clubes participantes:

Al Ain (Emirados Árabes Unidos)

O clube está no Mundial por ser o campeão nacional do país anfitrião. O time é considerado com padrão tática satisfatório para as equipes asiáticas, muito pela experiência do técnico croata Zoran Mamic. “Temos que trabalhar para fazermos uma grande competição, pois representamos o povo local”, disse Mamic.

O principal destaque do time é o experiente atacante sueco Marcus Berg, artilheiro do campeonato nacional com 25 gols. O meia brasileiro Caio, revelado na base do São Paulo e que fez carreira no Japão, é titular.

Time-base: Khalid Eisa, Ismail Ahmed, Mohammed Fayez, Mohanad Salem e Mohamad Ahmad; Tongo Doumbia, Hussein El Shahat, Caio e Amer Abdulrahman ; Jamal Maroof e Marcus Berg. Técnico: Zoran Mamic

Chivas Guadalajara (México)

O ex-atacante da seleção paraguaia José Cardozo jamais poderia esperar que seu trabalho no Chivas Guadalajara fosse render tantos frutos em tão pouco tempo. Ele levou o time mexicano ao título da Liga dos Campeões da Concacaf batendo o Toronto FC do Canadá na final. Com isso, conseguiu a vaga no Mundial de Clubes e sonha em surpreender.

“Tenho um time sem a fama dos favoritos, principalmente do Real Madrid. Mas sei que podemos ir muito longe se colocarmos em campo toda a vontade que estamos pensando em aplicar”, disse Cardozo. A equipe tem como destaques o meia Orbelín Pineda e o experiente defensor Carlos Salcedo. Seu adversário nas quartas de final será o Kashima Antlers.

Time-base: Raul Gudino, Carlos Salcido, Jair Pereira, Miguel Basulto e Miguel Ponce; Aris Hernández, Michael Pérez, Isaác Brizuela, Cesar Huerta e Orbelín Pineda; Alan Pulido; Técnico: José Cardozo

Esperánce (Tunísia)

O clube tunisiano é o representante da África no Mundial por ter conquistado a Liga dos Campeões do continente já sob o comando do técnico Mouin El Shaabanitomó, que assumiu a equipe nas semifinais e conseguiu uma grande arrancada. “O equilíbrio entre os setores e a determinação em campo são as marcas da minha equipe”, disse o treinador.

A estrela da companhia é o artilheiro Anice Badri, que representou a seleção da Tunísia na Copa do Mundo da Rússia e foi artilheiro da Champions africana com oito gols. O time enfrentará nas quartas de final o vencedor de Al Ain e Team Wellington.

Time-base: Moez Ben Cherifia, Sameh Derbali, Iheb Mbarki, Houcine Rebai e Ali Machani; Ali Ben Romdhan, Adem Rjaibi, Ghailene Chaalali e Saad Bguir; Mohamed Belaili e Anice Badri; Técnico: Mouin El Shaabanitomó

Team Wellington (Nova Zelândia)

Depois de o Auckland City reinar sozinho como campeão da Liga dos Campeões da Oceania e ser figurinha carimbada no Mundial de Clubes, dessa vez o time foi desbancado por um compatriota. O Team Wellington estreará no torneio continental carregando o rótulo de mais frágil da disputa. O técnico é o inglês José Manuel Figueira, que nasceu na Inglaterra, mas tem origem espanhola e dirige a seleção sub-17 da Nova Zelândia.

O treinador sabe que passar pelo Al Ain na estreia já seria um sonho. “Temos que pensar em subir um degrau de cada vez”, disse Figueira. Um time limitado como o Wellington tem poucas estrelas, mas a principal delas é o artilheiro Angus Kilkolly, autor de oito gols na Liga dos Campeões da Oceania.

Time-base: Scott Basalaj, Justin Gulley, Scott Hilliar, Liam Wood e Michael Boso; Andrew Bevin, Jack-Henry Sinclair, Aaron Clapham e Mario Barcia; Ross Allen e Angus Kilkolly; Técnico: José Manuel Figueira

Kashima Antlers (Japão)

Finalista há dois anos contra o Real Madrid, o clube conhecido no Brasil pela passagem de Zico sonha em repetir o feito. O time é dirigido pelo técnico Go Oiwa, que é muito valorizado por ter começado a carreira no clube, que defendeu em seus tempos de jogador. “Temos que sonhar alto se quisermos atingir algum objetivo grande”, disse Oiwa.

Os destaques do time são o meia Yasushi Endo, veterano com passagem pela seleção japonesa, e o meia brasileiro Serginho, formado no Santos e com passagens por Vitória, Santo André e América Mineiro. O Kashima enfrentará o Chivas Guadalajara nas quartas de final.

Time-base: Shinichiro Kawamata, Atsuto Uchida, Gen Shoji, Shuto Yanamoto e Koki Anzai; Ryota Nagaki, Yasushi Endo, Shoma Doi, Leandro e Serginho; Hiroki Abe; Técnico: Go Oiwa

Real Madrid (Espanha)

O clube espanhol buscará o tricampeonato consecutivo, mas não chega tão forte e badalado como nos anos anteriores, devido às saídas do técnico Zinedine Zidane e do astro Cristiano Ronaldo. O time iniciou a temporada de forma péssima, o que causou a demissão do técnico Julen Lopetegui, substituído pelo argentino Santiago Solari.

Mas apesar da perda de seus astros, o Real Madrid segue com um elenco vasto, com craques como Marcelo, Gareth Bale e, sobretudo o croata Luka Modric, eleito o melhor da temporada por Fifa, France Football e Uefa. O brasileiro Vinicius Junior, que aos poucos ganha espaço, também pode ter chances de brilhar no Mundial.

Time-base: Thibaut Courtois, Dani Carvajal, Sergio Ramos, Raphael Varane e Marcelo; Toni Kroos, Luka Modric, Marcos Llorente, e Gareth Bale; Lucas Vázquez e Karim Benzema; Técnico: Santiago Solari

River Plate (Argentina)

O gigante argentino chega para o torneio embalado depois da histórica conquista da Libertadores, diante do maior rival, Boca Juniors e, ironicamente, na casa do seu principal concorrente no Mundial. “Não estamos pensando no Real Madrid, pois existem outras equipes e temos que analisar nossos possíveis rivais” disse o técnico Marcelo Gallardo.

O elenco tem qualidade, tanto que peças como o meia Juan Quintero e o atacante Ignacio Scocco podem ser opções para o segundo tempo. Pity Martínez dita o ritmo do meio-de-campo, que sempre tenta trabalhar boas bolas para o artilheiro Lucas Pratto. Campeão intercontinental em 1986, o River buscará o bicampeonato.

Time-base: Franco Armani, Gonzalo Montiel, Jonatan Maidana, Javier Pinola e Milton Casco; Leonardo Ponzio, Ignacio Fernández, Enzo Pérez, Exequiel Palácios e Pity Martínez; Lucas Pratto; Técnico: Marcelo Gallardo

(Com Gazeta Press)