Clique e assine a partir de 8,90/mês

Moro telefona para autoridades paraguaias para tratar do caso Ronaldinho

Ministro confirmou contato, mas salientou que “Paraguai é soberano para tomar decisões”

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 9 mar 2020, 14h12 - Publicado em 9 mar 2020, 14h03

A prisão de Ronaldinho Gaúcho no Paraguai, acusado de ter usado passaportes falsos para entrar no país, preocupa Sergio Moro. O ministro da Justiça e Segurança Pública telefonou nesta segunda-feira, 9, para integrantes do governo paraguaio para buscar informações sobre o caso. Ronaldinho e seu irmão Assis estão detidos em Assunção desde a última sexta-feira 6.

De acordo com sua assessoria, Moro “ligou apenas para obter informações”.  A assessoria do ministro disse ainda que que “o governo brasileiro está acompanhando o caso” e que “o Paraguai é soberano para tomar decisões”.

Nesta segunda, a defesa do ex-jogador do Barcelona e da seleção brasileira entrou com um recurso para que os irmãos Assis possam cumprir prisão domiciliar. Uma audiência foi marcada para a terça-feira 10.

Em setembro do ano passado, Ronaldinho, apoiador do governo do presidente Jair Bolsonaro, recebeu o título de embaixador do turismo brasileiro pelo Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). Na época, o ex-jogador estava com o passaporte apreendido devido a uma ação por danos ambientais movida pela Justiça do Rio Grande do Sul. 

Um mês depois de assumir o cargo na Embratur, Ronaldinho conseguiu reaver o passaporte ao pagar uma multa ambiental de 6 milhões. Mesmo preso no Paraguai, Ronaldinho mantém o cargo de embaixador do turismo que, segundo a Embratur, é apenas “simbólico e honorário”. 

Continua após a publicidade
Publicidade