Clique e assine a partir de 8,90/mês

Memória: Há 50 anos, nascia o Robertão, ‘pai’ do Brasileirão

Competição foi a primeira da história a reunir os 12 grandes times do país; PLACAR também deu um importante empurrão na criação do Campeonato Brasileiro

Por Fernando Beagá - 3 abr 2017, 20h07

Apesar da unificação dos campeonatos nacionais a partir de 1959, homologada em 2010 pela CBF, o Brasileirão como conhecemos hoje tem origem em outras duas datas. A oficial, 1971 (inicialmente chamado de Campeonato Nacional de Clubes, com título do Atlético-MG), e a do surgimento de seu embrião, o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, “criado” em 1967 e vencido pelo Palmeiras na primeira edição.

As aspas são necessárias porque esse era o nome do Rio-São Paulo, tradicional certame entre clubes dos dois estados que vinha sendo realizado ininterruptamente desde 1950. Por isso, a invenção foi chamada de Robertão, por se tratar de um interestadual vitaminado. Sua primeira edição acrescentou mineiros (Atlético e Cruzeiro), gaúchos (Grêmio e Internacional) e o paranaense Ferroviário. Foi o primeiro campeonato a reunir os 12 grandes times do futebol brasileiro.

Muitos fatores contribuíram para o nascimento do Robertão. A Taça Brasil, torneio nacional da época, que contava apenas com campeões estaduais e o vencedor do ano anterior, deixava muitos clubes tradicionais fora da festa. Corinthians e São Paulo, por exemplo, nunca a disputaram. A bela conquista do Cruzeiro em 1966, sobre o Santos de Pelé, também influenciou. Por fim, o enfraquecimento político da CBD (Confederação Brasileira de Desportos, predecessora da CBF) abriu brechas para as federações estaduais organizarem o novo torneio. Esperta, a CBD assumiu o Robertão em 1968, rebatizando-o de Taça de Prata, denominação que não fez desaparecer a anterior.

Por duas temporadas, Taça Brasil e Robertão dividiram o calendário. Mas a primeira foi enterrada por sua bagunça. A edição de 1968 só começou em dezembro daquele ano e foi terminar em outubro de 1969!

Àquela altura, a nova competição se consolidava com bilheterias mais significativas e rivalidades regionais potencializadas pela disputa nacional. O Robertão emplacou. Para virar Brasileirão, o empurrão definitivo foi de PLACAR. Isso mesmo. A revista, criada em 1970, promoveu um debate com dirigentes e sugeriu soluções para um verdadeiro campeonato nacional. O resultado foi a série de reportagens intitulada “A falência dos cartolas”. Meio século depois, os dirigentes e o calendário ainda preocupam. E PLACAR continua vigilante.

Fontes: Almanaque dos Velhos Brasileirões, Alexandre Mesquita e Jefferson Almeida, iVentura Editora; Arquivo Placar

Continua após a publicidade
Publicidade