Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Mattos garante Felipão e explica eliminação: ‘Estava na mão’

Diretor de futebol do Palmeiras convocou coletiva ao lado do treinador e pediu desculpas aos torcedores alviverdes pela derrota para o Grêmio

Por Da Redação - Atualizado em 29 ago 2019, 15h26 - Publicado em 29 ago 2019, 14h31

O Palmeiras marcou uma coletiva para às 14h desta quinta-feira, 29. A incomum iniciativa do clube, sem comunicar previamente quem iria falar com os jornalistas, levantou a possibilidade de que mudanças seriam feitas no comando da equipe. O diretor de futebol Alexandre Mattos apareceu junto a Luiz Felipe Scolari e garantiu que o técnico continua no cargo.

“O Felipão é o nosso treinador. Não passou pela cabeça de ninguém fazer uma troca“, revelou Mattos ao abrir a entrevista coletiva com um pronunciamento, e colocando um ponto final na especulação de que o treinador seria demitido após a eliminação nas quartas de final da Copa Libertadores da América.

O dirigente também aproveitou a coletiva para fazer um pedido de desculpas para o torcedor. “Minha função é resgatar a autoestima do palmeirense, como aconteceu em 2015 e 2016. Quero ver o sorriso de cada torcedor. Doeu muito no meu coração essa eliminação. Vou trabalhar cada vez mais para tentar melhorar. Queria pedir minhas sinceras desculpas ao torcedor”.

Sutilmente, Mattos ainda criticou o elenco, dizendo que a competição estava à feição para a conquista do Palmeiras. “Havia um sonho real de todos aqui de buscar essa Libertadores. Acho que estava na mão, óbvio. Temos de aprender e evoluir. Ontem foi um dia de luto”, desabafou.

Publicidade

A irritação de Felipão

Luiz Felipe Scolari, técnico do Palmeiras Reprodução/TV Globo

Luiz Felipe Scolari não disfarçou sua irritação ao ter que responder diversas perguntas sobre o desempenho do time na eliminação para o Grêmio. Após garantir que a equipe joga bonito, o treinador foi questionado sobre o rendimento da equipe na derrota da última terça-feira, 27, e chegou até a ficar vermelho em diversas oportunidades. Nas respostas, ele exaltou que ninguém pode falar nada, porque não assiste aos treinamentos da equipe.

“Quanto ao repertório do time, não entro no mérito, as pessoas não estão aqui no dia a dia, não assistem nada que fazemos, porque nós fechamos os treinos. Eu não acho que seja normal discutir meus métodos porque ninguém vê o treinamento. É bom igual aos outros. Se até meus colegas falam que fazem isso eu não sou assim”, desabafou Felipão, que acredita que a imprensa tem uma imagem dele já formada sobre ele e isso não vai mudar. “Tenho que fazer meu trabalho para a diretoria dizer se é bom ou ruim”, completou.

O treinador chegou a dar a entender que a culpa pela eliminação foi do atacante Willian, que perdeu duas chances claras no primeiro tempo contra o Grêmio. Perguntado sobre isso na sequência da coletiva, Felipão voltou a se irritar e defendeu o jogador. “Duvido que alguém fosse colocar o Willian para jogar neste momento voltando da lesão, ainda com alguma dificuldade técnica. Mas eu coloco porque confio. Não tem nada disso, não. Quem errou fui eu que coloquei em campo a equipe. Os jogadores fizeram a sua parte, se acertaram ou erraram é do jogo. Vamos discutir lá dentro do vestiário o que é bom e ruim”.

Publicidade